MANCINI, SOBRENOME DIGNIDADE

Só agora, depois das regulamentares 48 horas, é possível realizar a seguinte e fundamental pergunta: que fenômeno foi aquele que abalou Itaquera e uma banda de Guaianazes na já inolvidável tarde sabática?

Antes de responder a esta questão essencial para o futuro do ludopédio e do Brasil, o que dá no mesmo, faz-se mister retornar coisa de uma década.

Leva o carro, motô.

Seguinte foi este. No final do mês de março do ano da graça de 2008, o Vitória estava caindo pelas tabelas do brioso campeonato baiano. Crise braba e Vadão demitido. Mancini chega, ganha o título e, num gesto de rara gentileza, dedica o troféu ao seu antecessor. E mais. Conseguiu transformar um bando em uma equipe e percorreu todo o árido Brasileirão sem dar susto, coisa rara para times periféricos. Não à toa, o Vitória terminou aquela competição na primeira parte da tabela com vaga tranquila na Copa Sula Miranda.

Pois bem. Achando pouco, ainda fez alguns milagres. Ajudou a tornar Vanderson o melhor meio-campista do Brasil. O pitbull, que só sabia destruir jogadas e levar cartões, virou um quase gênio, que desarmava com firmeza, mas sem truculência, e ainda saia para o jogo com bola dominada e dando (lá ele) passes precisos. Um assombro.

 

Além disso, fez com Wallace (que está de volta à equipe praticando em alto nível) e Willians realizassem uma proeza que desafia a ciência moderna: aprendessem a jogar bola depois dos seis anos de idade. Eram dois casos perdidos. Até este locutor, que conhece e pratica o pebolismo (eu falei pebolismo, hereges) em 18 idiomas, acreditava que os dois não tinham jeito para a bola. No máximo, poderiam participar de um campeonato intermunicipal. Mas, Mancini os recuperou para o futebol. E fez mais malvadezas. Botou o Vitória para jogar de igual para igual com as grandes equipes de Pindorama nas quase quarenta rodadas do Brasileirão. Um feito absolutamente inédito.

 

Na ocasião, eu perguntei: isto é marca de técnico que se apresente? E eu mesmo respondi: Claro que não. O técnico, para quem não sabe, deve servir para as seguintes coisas: ser chamado de professor por pessoas semialfabetizadas, falar numa linguagem completamente incompreensível e ser depositário de nossas frustrações. Em resumo: deve ser aquele a quem devemos fazer a catarse cotidiana, xingando o desgraçado de forma impiedosa. Não só a ele como também a toda a sua árvore genealógica.

 

Pois muito bem. Com Mancini nada disso é possível. No máximo, ele faz uma pirraçazinha na escalação ou outra bobagem do gênero. Nada que mereça nosso ódio. Uma afronta. E como afronta pouca é bobagem, o cidadão agora se candidata definitivamente ao posto de ídolo. E não apenas por ter sido o técnico que conseguiu a vitória espetacular diante do invicto & poderoso Corinthians, primeiro triunfo do Vitória no Brasileirão em cima de um dos grandes paulistas no território adversário. Não. Mancini se candidata a ídolo, o que é, repito, uma afronta para um técnico, porque diante da pequenez da imprensa de Pindorama ele fez a seguinte afirmação, básica, óbvia e necessária: O BRASIL É MUITO GRANDE, BOA NOITE.

E sobre o jogo? Tenhas suas calmas, que depois comentarei. Agora é o momento de registrar e louvar esta glória maior. Qual seja. A afirmação de que nosso país não se resume à paulistocracia. É preciso e fundamental enxergar outros brasis, confirme Mancini teve a coragem e o discernimento de proferir em rede nacional.

AXÉ ao novo  baiano.

Atenção, rebain de hereges, escute o apito deste cidadão. Ele tá dando a ideia cheque.

3 Respostas to “MANCINI, SOBRENOME DIGNIDADE”

  1. Fredson Bispo Says:

    Por mim, a Liga do Nordeste, que incompetentemente é dirigida por Alexi Portela e só vem servindo para administrar as cifras do Esporte Interativo, soltaria uma nota de aplauso e reconhecimento à atitude de Mancini. Mais, a Câmara Municipal de Salvador deveria conceder-lhe o titulo de cidadão soteropolitano, este sim, merecido e sem risco de ovadas!!!!

  2. João Feitosa Says:

    Concordo com o que fora citado sobre Mancini, não por este jogo, mas pela história que o mesmo vem acrescentando no E C Vitória, no ano passado não era para o Mancini ter sido demitido pois o time vinha jogando muito bem, apesar de de ter um time bem limitado para o maestro reger e para mim e outros torcedores do Leão e até mesmo a imprensa Baiana, quando o Argel assumiu dava pra ver como o time começou a jogar horroroso, sorte tivemos que o Marinho estava inspirado, pois se fôssemos depender dos jogos em que o Argel comandou íamos morrer do Coração.MANCINI apesar de ser paulista, mas ele tem uma grande afinidade com o Vitória, conhece a casa, a base é respeita principalmente as pessoas que trabalham no clube e o mesmo incorporou o sangue rubro negro, na hora que o Trelez fez o gol a câmera foca no Mancini e ele nao grita gol ele grita “Nêêgoooo” .Vida longa ao Mancini!!!

  3. Dantas de BH Says:

    Mancini disse nada além do que deveria ser dito, diante do questionamento daquele “zé repórter”. Fiquei pensando, o que nos deixou feliz, de alma lavada mesmo, é que nunca alguém, principalmente não sendo das bandas de cá e em rede nacional, exigir respeito, exigir a verdade e não aceitar ser subestimado ou humilhado por qualquer desinformado das bandas de lá, conforme temos visto desde sempre.
    Parabéns Mancini, tem o meu respeito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: