Archive for 8 de agosto de 2017

A MÁGICA É LIBERTADORA

agosto 8, 2017

Só agora, passadas as regulamentares 48 horas, é possível largar a necessária e inquietante indagação: que fenômeno foi aquele que, na inconsequente manhã dominical, assombrou o Rio de Janeiro e uma banda de Niterói?

Antes de tentar responder a esta fundamental questão, é preciso adiantar os ponteiros do relógio e ir direto ao lance mais polêmico e incompreendido da peleja: a penalidade máxima contra o flamengo.

Pois bem. Sem longas nem delongas, venho informar que, ao contrário do que pensam os incautos, o assoprador de apito marcou o pênalti para prejudicar o Vitória.

Como assim? Assim, ó. Naquela altura do jogo, a equipe local já estava completamente entregue. Ao perceber que a derrota do time dos podres poderes de Pindorama era líquida e certa, o juizão, ardilosamente, maquinou uma medida heterodoxa pra tentar dar uma sobrevida ao defunto. Qual seja. Sabendo que o goleiro de lá era useiro e vezeiro de pegar pênalti de Messi, Neymar, Cristiano Ronaldo e outros mais ou menos cotados, ele achou que marcando a zorra, ocorreria o normal e a equipe carioca ganharia um novo fôlego. Só se esqueceu de uma coisa: Aqui é NEILTON, porra. Anotaê: 2 x 0 no placar e ninguém pode mais tirar.

Aliás, Neilton já havia sido responsável por outra façanha. Seguinte foi este. A partida estava um tanto quanto encardida e os jogadores do flamengo faziam aquelas tradicionais firulas para intimidar, pra demonstrar que eram craques e superiores. Então, o guri da camisa 10 ensinou como é que se pirraça. Dominou a bola no ar e deu um drible de corpo sem deixar a criança quicar no gramado. Ali, naquela jogada mágica & simbólica, uma verdadeira maravilha melodicamente contemporânea (Beijos, Luiz), estava decretada a vitória.

E, com aquele lance metafisicamente sublime e lindamente arrogante, Neilton mandava a seguinte mensagem: podem rebolar o quanto quiserem, rebain de sacristas, que ninguém aqui vai ficar intimidado. E assim foi. Ninguém comeu reggae. E o arisco e injustiçado David se mirou no exemplo e deu uma caneta num sacana deles. E Iago mandou um balaço no ângulo. E Ramon incorporou um orixá que era a mistura de Falcão com Cerezo. E Carlito Trellez, o colombiano que sofreu o pênalti, obrou uma acrobacia de botar Nádia Comanecci e os contorcionistas do Cirque du Soleil no chinelo. E até Kanivisky (vá fazer rima na casa da porra) parecia possuir uma categoria ancestral.

Pois muito bem. Todas estas e outras excepcionais atuações dos jogadores do Leão, de algum modo, podem ser descritas, mas como fazer para falar da insana (mais uma) atuação do gênio da lateral direita (ala é a puta que o pariu) CAIQUE SÁ?

PUTA QUE PARIU A AGILIDADE!!!

Aquilo ali é o Diabo da Tasmânia em forma de jogador. Depois de me raciocinar todo não consegui achar outra definição ou explicação. Aliás, é exatamente esta falta de explicação, esta força transcendental, este sobrenatural de almeida, que vai nos levar à Libertadores. A mágica liberta. Botem fé.

Eu ouvi outro amém, igreja?

20621152_1968214523414739_3747377616228659447_n

A briosa & insana torcida Vitória 40º aquece e incendeia o Rio