Archive for agosto \29\UTC 2017

MANCINI, SOBRENOME LIDERANÇA

agosto 29, 2017

Impossível esperar as regulamentares 48 para realizar a tradicional inquirição: que fenômeno foi aquele que abalou Curitiba e um taco da República do Paraná na noite de ontem?

Antes de responder a esta fundamental questão, é preciso retornar um pouco tempo, exatamente para o dia 22 de julho. Nessa data, o Vitória protagonizava mais um vexame no Mordomão/2017, perdendo dentro do nosso Santuário para a Chapecoense. Com o resultado, o Leão caminhava para registrar sua pior campanha no primeiro turno na era dos pontos corridos.

Mas não só isso. Aliada à tristeza e apreensão, havia no ar um clima de golpe. Aqueles conhecidos marinheiros, que só sabem navegar em águas turvas, se apresentavam novamente como salvadores da pátria, enganando incautos e/ou desesperados. Vendedores de ilusões e de infâmias, os indigitados declaravam que este ano estava tudo perdido. E apostaram no quanto pior melhor. E, óbvio, a desesperança contagiou muitas pessoas. Em alguns casos, existia uma ira verdadeira, uma revolta sincera. Também não era pra menos. Os erros e vacilos transbordavam.

Porém, antes mesmo de (re) estrear no comando da equipe, Mancini deu a letra, garantindo que ia blindar o elenco, como deve fazer um verdadeiro líder – e não estes aproveitadores de ocasião. E mais: prometeu brio. “O torcedor até aceita que você perca uma partida, o que ele não aceita é que não tenha luta”. E houve luta. E, ao contrário do que pregavam os profetas do apocalipse, nada estava perdido. E hoje temos a prova disso. Mas, a verdade é que a batalha era desigual, pois o primeiro adversário seria o forte Cruzeiro, atual finalista da Copa do Brasil. E pior. A peleja era na casa do adversário.

Apesar de saber que a fase não rimava com otimismo, dei de ombros à maldade alheia e decidi que era o momento de estar ainda mais próximo da equipe. Assim, desci a pirambeira rumo a Minas Gerais para ver o dificílimo jogo contra a equipe celeste. O x 0 encardido com Fernando Miguel brilhando – e o time lutando incansavelmente, honrando a camisa. Mas a outra luta, fraticida, sem honra, continuava fora das quatro linhas, com os derrotados nas últimas eleições se unindo a traidores para pregar rasteiras.

Novas turbulências. Travessia complicada, mas sob o comando do novo/antigo técnico cruzamos a ponte. Jogo com cara de alegria. Um primeiro tempo quase perfeito. No final, um 3 x 1 tranquilo. Blindagem voltou a funcionar. E funcionou mais ainda na partida seguinte. Eu estava na Ilha do Vitória (ex-ilha do urubu) e vi o Leão realizar uma partida que roçou o sublime. 2 x 0 no Flamengo com direito a olé.

No jogo seguinte, porém, tropeço em casa diante do Avaí – e os infames, que já voltavam para as trevas, colocam as asas, digo, os tridentes de fora, naquilo que já entrou para os anais (de lá eles) como “política nojenta”.

Mas, deixemos estas injúrias no lugar que eles merecem: o esquecimento. E falemos só de jangada, que é pau que bóia.
Então, seguinte. O próximo jogo era a prova de fogo. Peleja contra o invicto Corinthians no terreiro adversário. Porém, com o auxílio do Sobrenatural de Almeida Tréllez, brocamos lindamente. E Mancini, altivo, brocou mais ainda ao dar uma necessária voadora nos que sempre querem nos rebaixar. O Brasil é muito grande, boa noite, disse o comandante.

E, neste Brasil grande, o Vitória de Mancini tem conseguido ser imenso. E ontem, na república do paraná, devorou as coxinhas brancas, lavando a alma da nação.

Assim, se, na rodada anterior, Mancini havia conquistado o sobrenome dignidade, agora, depois do fundamental triunfo diante do Coritiba, ganhou um novo: liderança. Afinal, sob seu comando, o Vitória disputou 18 pontos e conquistou 13, melhor aproveitamento do campeonato.

O Brasil tem um (novo) líder.

Axé.

Um ex-tirano disse que deveriam prender quem contratou Kanivisky. O zagueiro-artilheiro manda um coraçãozinho para o especialista em cadeia. Foto: Giuliano Gomes/PR Press/Gazeta Pres

Anúncios

MANCINI, SOBRENOME DIGNIDADE

agosto 21, 2017

Só agora, depois das regulamentares 48 horas, é possível realizar a seguinte e fundamental pergunta: que fenômeno foi aquele que abalou Itaquera e uma banda de Guaianazes na já inolvidável tarde sabática?

Antes de responder a esta questão essencial para o futuro do ludopédio e do Brasil, o que dá no mesmo, faz-se mister retornar coisa de uma década.

Leva o carro, motô.

Seguinte foi este. No final do mês de março do ano da graça de 2008, o Vitória estava caindo pelas tabelas do brioso campeonato baiano. Crise braba e Vadão demitido. Mancini chega, ganha o título e, num gesto de rara gentileza, dedica o troféu ao seu antecessor. E mais. Conseguiu transformar um bando em uma equipe e percorreu todo o árido Brasileirão sem dar susto, coisa rara para times periféricos. Não à toa, o Vitória terminou aquela competição na primeira parte da tabela com vaga tranquila na Copa Sula Miranda.

Pois bem. Achando pouco, ainda fez alguns milagres. Ajudou a tornar Vanderson o melhor meio-campista do Brasil. O pitbull, que só sabia destruir jogadas e levar cartões, virou um quase gênio, que desarmava com firmeza, mas sem truculência, e ainda saia para o jogo com bola dominada e dando (lá ele) passes precisos. Um assombro.

 

Além disso, fez com Wallace (que está de volta à equipe praticando em alto nível) e Willians realizassem uma proeza que desafia a ciência moderna: aprendessem a jogar bola depois dos seis anos de idade. Eram dois casos perdidos. Até este locutor, que conhece e pratica o pebolismo (eu falei pebolismo, hereges) em 18 idiomas, acreditava que os dois não tinham jeito para a bola. No máximo, poderiam participar de um campeonato intermunicipal. Mas, Mancini os recuperou para o futebol. E fez mais malvadezas. Botou o Vitória para jogar de igual para igual com as grandes equipes de Pindorama nas quase quarenta rodadas do Brasileirão. Um feito absolutamente inédito.

 

Na ocasião, eu perguntei: isto é marca de técnico que se apresente? E eu mesmo respondi: Claro que não. O técnico, para quem não sabe, deve servir para as seguintes coisas: ser chamado de professor por pessoas semialfabetizadas, falar numa linguagem completamente incompreensível e ser depositário de nossas frustrações. Em resumo: deve ser aquele a quem devemos fazer a catarse cotidiana, xingando o desgraçado de forma impiedosa. Não só a ele como também a toda a sua árvore genealógica.

 

Pois muito bem. Com Mancini nada disso é possível. No máximo, ele faz uma pirraçazinha na escalação ou outra bobagem do gênero. Nada que mereça nosso ódio. Uma afronta. E como afronta pouca é bobagem, o cidadão agora se candidata definitivamente ao posto de ídolo. E não apenas por ter sido o técnico que conseguiu a vitória espetacular diante do invicto & poderoso Corinthians, primeiro triunfo do Vitória no Brasileirão em cima de um dos grandes paulistas no território adversário. Não. Mancini se candidata a ídolo, o que é, repito, uma afronta para um técnico, porque diante da pequenez da imprensa de Pindorama ele fez a seguinte afirmação, básica, óbvia e necessária: O BRASIL É MUITO GRANDE, BOA NOITE.

E sobre o jogo? Tenhas suas calmas, que depois comentarei. Agora é o momento de registrar e louvar esta glória maior. Qual seja. A afirmação de que nosso país não se resume à paulistocracia. É preciso e fundamental enxergar outros brasis, confirme Mancini teve a coragem e o discernimento de proferir em rede nacional.

AXÉ ao novo  baiano.

Atenção, rebain de hereges, escute o apito deste cidadão. Ele tá dando a ideia cheque.

NEILTON E O FRÁGIL (DES) EQUILÍBRIO

agosto 15, 2017

Agora, com a cabeça menos quente depois das regulamentares 48 horas, lembrei-me do seguinte. No início dos anos 90, quando éramos reis, a estrela do nosso exército brancaleone, Alex Alves, tinha como grande sonho comprar uma geladeira para a senhora sua mãe. Sim, isso mesmo. Estávamos com nosso desejo de potência ali, naquela esquina, onde a pretensão de conquistar o mundo roça com as prestações das Casas Bahia.

E a Parmalat não chorou sobre o leite derramado. Mas este rouco e emocional locutor não conseguiu impedir que cansadas retinas ficassem rasas d’água.

Com choros, ranger de dentes e algumas doses de alegrias, vivemos e sobrevivemos com a convicção, uma das poucas que tenho, de que o Esporte Clube Vitória é, literal e em todas as acepções, minha cachaça. Igual à canjebrina, o Rubro-Negro me corrói e me conserva, por mais paradoxal que possa parecer. E é.

Mas, derivo. O que queria dizer é que, atualmente, Neilton é o representante do Zeitgeist do Vitória. Ahn? O que? Não sabe o significado? Dê seus pulos, criatura. Se vire e se matricule no ICBA ou então no Barroco na Bahia, naquela casa de lindos azulejos azuis onde morou Simões Filho, no brioso bairro da Saúde.

Sim, mas antes de vocês me interromperem, eu dizia que o atual camisa 10 encarna o Zeitgeist Rubro-negro. Ao tempo em que pode ser nossa salvação é nossa perdição e vice-versa. Nenhum jogador do elenco é tão instável para o bem e para o mal, quase que concomitantemente. O sujeito é o único no time que não tem receio de desmoralizar o mais sisudo zagueiro das grandezas do Ludopédio de Pindorama e de se desmoralizar, errando o passe mais bisonho possível. É inconsequente ao ponto de entortar o adversário com a mesma displicência com que se equivoca diante de um gol feito.

Na semana passada mesmo, lá no Rio de janeiro, eu vi o indigitado realizando atrevimentos digno dos craques de antanho. E deixou os flamenguistas, jogadores e torcedores, atordoados. Agora, os atordoados somos nosotros. Contra o Avaí, ele conseguiu o que parecia impossível. Perdeu pênalti, gol de cara a cara com o goleiro, de lado, de cima, de baixo, de revetrés, da porra toda.

É isso. O sujeito parece ser nossa esperança e ruína. É paradoxal como a insana derrota do Vitória para o feio time da linda & casta Florianópolis.  Então, torçamos para que ele, desequilibrando, nos leve a algum equilíbrio daqui por diante.

Caso contrário, vou ter que comprar mais gelo para colocar em meu maltratado e (des) equilibrado juízo.

 

Só com 20kg de gelo na cabeça para suportar as peripécias de Neilton

 

A MÁGICA É LIBERTADORA

agosto 8, 2017

Só agora, passadas as regulamentares 48 horas, é possível largar a necessária e inquietante indagação: que fenômeno foi aquele que, na inconsequente manhã dominical, assombrou o Rio de Janeiro e uma banda de Niterói?

Antes de tentar responder a esta fundamental questão, é preciso adiantar os ponteiros do relógio e ir direto ao lance mais polêmico e incompreendido da peleja: a penalidade máxima contra o flamengo.

Pois bem. Sem longas nem delongas, venho informar que, ao contrário do que pensam os incautos, o assoprador de apito marcou o pênalti para prejudicar o Vitória.

Como assim? Assim, ó. Naquela altura do jogo, a equipe local já estava completamente entregue. Ao perceber que a derrota do time dos podres poderes de Pindorama era líquida e certa, o juizão, ardilosamente, maquinou uma medida heterodoxa pra tentar dar uma sobrevida ao defunto. Qual seja. Sabendo que o goleiro de lá era useiro e vezeiro de pegar pênalti de Messi, Neymar, Cristiano Ronaldo e outros mais ou menos cotados, ele achou que marcando a zorra, ocorreria o normal e a equipe carioca ganharia um novo fôlego. Só se esqueceu de uma coisa: Aqui é NEILTON, porra. Anotaê: 2 x 0 no placar e ninguém pode mais tirar.

Aliás, Neilton já havia sido responsável por outra façanha. Seguinte foi este. A partida estava um tanto quanto encardida e os jogadores do flamengo faziam aquelas tradicionais firulas para intimidar, pra demonstrar que eram craques e superiores. Então, o guri da camisa 10 ensinou como é que se pirraça. Dominou a bola no ar e deu um drible de corpo sem deixar a criança quicar no gramado. Ali, naquela jogada mágica & simbólica, uma verdadeira maravilha melodicamente contemporânea (Beijos, Luiz), estava decretada a vitória.

E, com aquele lance metafisicamente sublime e lindamente arrogante, Neilton mandava a seguinte mensagem: podem rebolar o quanto quiserem, rebain de sacristas, que ninguém aqui vai ficar intimidado. E assim foi. Ninguém comeu reggae. E o arisco e injustiçado David se mirou no exemplo e deu uma caneta num sacana deles. E Iago mandou um balaço no ângulo. E Ramon incorporou um orixá que era a mistura de Falcão com Cerezo. E Carlito Trellez, o colombiano que sofreu o pênalti, obrou uma acrobacia de botar Nádia Comanecci e os contorcionistas do Cirque du Soleil no chinelo. E até Kanivisky (vá fazer rima na casa da porra) parecia possuir uma categoria ancestral.

Pois muito bem. Todas estas e outras excepcionais atuações dos jogadores do Leão, de algum modo, podem ser descritas, mas como fazer para falar da insana (mais uma) atuação do gênio da lateral direita (ala é a puta que o pariu) CAIQUE SÁ?

PUTA QUE PARIU A AGILIDADE!!!

Aquilo ali é o Diabo da Tasmânia em forma de jogador. Depois de me raciocinar todo não consegui achar outra definição ou explicação. Aliás, é exatamente esta falta de explicação, esta força transcendental, este sobrenatural de almeida, que vai nos levar à Libertadores. A mágica liberta. Botem fé.

Eu ouvi outro amém, igreja?

20621152_1968214523414739_3747377616228659447_n

A briosa & insana torcida Vitória 40º aquece e incendeia o Rio

DESCONFORTO LIBERTADOR

agosto 3, 2017

Os consultores, estes xavequeiros mudernos que vivem a encher as burras, nas palestras da vida, enganando os incautos, otários e afins, costumam dizer que crise significa perigo, mas também oportunidade.
Nero ar.

Conversa de culhudeiro. Crise, seja na origem grega, latina, chinesa ou no Nordeste de Amaralina, significa… crise, POBREMA. E é um momento para ser superado. E ponto final. Ponto final, vírgula, ponto parágrafo, pois os dados e a bola ainda estão rolando.

Sim, é fato que a bola não estava rolando redondamente, tanto dentro quanto, especialmente, fora das quatro linhas. Existiram barbeiragens. Muitas. Porém, é importante ressaltar, sublinhar, destacar, lembrar e relembrar que os problemas no Esporte Clube Vitória não surgiram agora. Ao contrário. São seculares, familiocratas. Portanto, nem venham repetir esta ladainha de que o entrave é de ordem democrática.

Pra cima de moá, não. Quem come agá é Dona Otília de Cafarnaum, que escreve Otel assim, com ó. A democracia no nosso Clube ainda nem começou. Esta conversa escrota só interessa aos aventureiros de terceira, aqueles, e aos jabaculezeiros, que querem enganar os incautos do mesmo modo que os palestrantes culhudeiros iludem as plateias desatentas sobre a etimologia da palavra crise.

Pois bem.

Esta conversa está lhe causando desconforto, né, minha comadre? Sim, é este o objetivo. Retorno a esta impoluta tribuna exatamente para sugerir que voltemos a realizar reflexões que nos ajude a sair da inútil zona de conforto que aprisiona nossas certezas e também para que possamos ajudar nosso time a sair desta maldita zona.

Então, sem mais longas nem delongas, vamos falar de jangada que é pau que boia. O Vitória começou a ganhar o jogo de ontem contra a Ponte Preta antes mesmo do apito do sacana de amarelo. E, por mais paradoxal que possa parecer, o motivo do triunfo foi causado pelo desconforto. Sim, quando anunciaram a contusão de Clayton Xavier, que atualmente atua improvisado como jogador, tudo mudou. Os semblantes no Barraquistão se iluminaram. Parecia até (quem sabe) que o Leão iria finalmente começar a disputar o campeonato.

E já que adentramos no campo dos enroladores, vou repetir aquela tradicional frase de autoajuda: é incrível o poder que as coisas parecem ter quando elas têm que acontecer.

Vejam vocês, gasolina já subiu de preço, mas o astral mudou completamente. Até Carlito Trellez, que estava se enrolando com a redonda mais do que deputado indeciso pra justificar voto, foi certeiro. Primeiro, abriu o placar com uma cabeçada. Depois, fechou o pacote ao receber belo passe do injustiçado David. Aliás, o que o menino da camisa 27 tem feito sem reconhecimento não está em nenhum gibi. Eu mesmo já contei uns 80 excelentes passes (assistência quem presta é a Samu) para os outros atacantes rubro-negros.

Mas derivo.

O fato é que, depois de um longo e tenebroso inverno, o Vitória voltou a jogar algo parecido com futebol. Até o craque desligado Neilton guardou o dele. Espero que agora acorde definitivamente. Pois o mais importante já aconteceu. O que? Ora, voltou a rolar aquela velha e imbatível sincronia do time com as arquibancadas. E quando esta mágica sobrenatural de almeida acontece nem Gilberto Gil segura mais a Bahia.

Eu ouvi um amém libertador, igreja?

Este trio elétrico vai incendiar o país num Carnaval fora de época