PUTAQUEPARIU A IMPRUDÊNCIA

Vocês conhecem aquela música extraordinária de Oscar da Penha intitulada Hora da Razão? Sim, minha comadre, aquela mesmo que diz assim: “sofrer também é merecimento, cada um tem seu momento….”

Pois então.  Neste inolvidável e inoxidável primeiro domingo de junho, cheguei à definitiva conclusão de que o torcedor do Vitória tem uma ligação ancestral com esta música de Batatinha. É isso. Só pode ser isso. O torcedor rubro-negro não consegue entender a vida sem sofrimento.

Como assim? Assim.

O Leão estava jogando algo minimamente parecido com futebol nos últimos três séculos,  brocando lindamente o Internacional, o líder invicto do campeonato, tudo pra todo mundo ser feliz, lindo, maravilhoso, como diria aquele antigo compositor baiano, e o cidadão, no intervalo da peleja, me inventa de pedir uma criatura em casamento.

Casamento, meu craque, a esta altura do campeonato, com a crise batendo na porta e na janela? Francamente.

PUTAQUEPARIU A IMPRUDÊNCIA

Menos mal que num foi aquela coisa bregamente americanizada de propor matrimônio em telão. Deuzulivre. Graças aos 600 bons DEMÔNHOS que continuam a nos guiar, o Barraquistão ainda é um estádio de verdade, sem estas aleivosias mudernosas. Assim, o pedido teve até seu charme, pois foi feito com locução fuleira e microfonia, parecendo aquelas cenas de circo mambembe do brioso sertão. Mesmo assim, casamento é aquela coisa, né? Inda mais nesta boca de tempo.

Mas derivo.

Porém, já que falei no referido, é impressionante a união indissolúvel de Marinho com a inconsequente ousadia. Tal e qual o rapaz que flertou com o abismo, pedindo a moça em casamento nestes tempos temerários, Marinho também não tem vergonha do absurdo. O moleque joga como um moleque, desconhece todas as formalidades e bons modos. Dribla o convencional e nos relembra que futebol pode ainda ter generosos toques de insana e descompromissada rebeldia. Uma festa para os olhos e todos os outros sentidos. Isto, claro, sem esquecer os 3 pontos, afinal, os combalidos rubro-negros têm o compromisso moral de continuar sendo idiotas da objetividade aritmética. Não podemos nos dar a tantos e tamanhos desfrutes.

Então, calculadora na mão. Eis a soma (e rima) perfeita: Marinho & Barraquistão, ninguém segura esta combustão. São 90 minutos de delírio coletivo & individual, porque o sacaninha é um delegado da disgrama. Não bastasse tudo, e tudo é tudo, não posso nem descrever (quem viu, viu? Quem num viu que se foda), ele deixou, literalmente, amarelada toda a zaga do melhor time de campeonato. E mais. Nos mostrou que, depois de tantas e tamanhas emoções que me faltam até adjetivos para descrevê-las, resta apenas escrevermos nas paredes da memória a frase piegas: sim, podemos sonhar.

Obrigado & amém.

P.S Depois, quando passar o efeito das emoções e das substâncias não recomendadas pela Carta Magna, falarei sobre o jogo em si, se é que existe isso depois de tanta inescrupulosa magia.

Marinho exibe seu talento em treino na Toca do Leão - Foto: Lúcio Távora l Ag. A TARDE

Nesta foto do jornal A Tarde Marinho nos ensina sobre as formas de amar. Pode Casar, disgrama!!!

Anúncios

3 Respostas to “PUTAQUEPARIU A IMPRUDÊNCIA”

  1. Lionel Leal Says:

    O governo Temer ganharia muito em legitimidade se Marinho fosse apontado como Ministro da Porra Toda.

  2. Elmo Campos Says:

    Nesses tempos temerários como seu Fransuel bem falou, Euler, Maicon Silva e Dagoberto são aproveitáveis, se estivesse falando diuma (deixa junto revisor fdp) outra época com certeza estaria pior, pois os mesmos estariam entregando a rapadura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: