QUEDA PARA O ALTO (VOLUME 2)

Agora é oficial. Este campeonato da Segundona caminha para ficar mais desmoralizado do que o Congresso Nacional sob o comando de Eduardo Cunha. Afinal, depois de 16 rodadas, tá mais do que evidente que nenhum dos 20 times joga de forma minimamente séria e decente para ser campeão.

Até agora, tem imperado a tradicional falta de técnica. E o pior, também falta vontade, que sempre foi uma das principais caracteristicas da competição. As equipes entram em campo como se acabassem de sair de uma feijoada na laje, daquelas regadas a pagodões e moças de indumentárias reduzidas.

PUTAQUEPARIU A BORÉSTIA!!!

E, como sói ocorrer, o Vitória tem levado o desleixo ao nível do paroxismo (recebam, distraídos, um paroxismo direto na titela). Nas últimas rodadas, por exemplo, para falar apenas desta derradeira sequência de jogos em casa, o time desperdiçou duas claras oportunidades de mostrar que deseja efetiva e finalmente botar a mão no caneco.

Contra o Macaé, na noite de terça-feira, ainda poderia ser usada a desculpa de que o timeco carioca jogou retrancado, que o assoprador de apito furtou, que o Vitória deu azar metendo duas bolas na trave, que o vento tava soprando para o sul e etc e coisa e tals. Já diante do América Mineiro, porém, não há justificativa.

É verdade que uma parte da torcida, emprenhada pelos ouvidos por radialistas escrotos, busca justificar dizendo que o time sentiu falta de Amaral. Hômi, quá; sinhô, me deixe! Para estes desmemoriados, que acham que o medonho meio campista é a salvação, lembro que o referido era titular absoluto nos três maiores vexames do ano: no Baiano, na Copa do Nordeste e na do Brasil. Acho bom, portanto, vocês procurarem outro herói.

Por falar em herói, a ruindade da equipe contamina. Até o menino Escudero, brava liderança que havia se livrado do trauma da contusão e recuperado o bom futebol, sucumbiu no último sábado, errado passes de 50 cm de distância.

As outras (e poucas) gratas surpresas da temporada também começaram a declinar. O zagueiro Mattis invocou de toda hora tentar mostrar que é craque e agora em cada jogada fica botando o peito na bola como se fosse um jogador de futevôlei do Porto da Barra. Nada que boa uma surra de cansanção com urtiga não resolva. Problema mais grave enfrenta o lateral (ala é a puta que o pariu) Diogo Mateus. Este, coitado, parece que foi abduzido pelo fantasma que ronda a camisa 2 desde que Apodi vestiu o manto. Agora, incorporado pelo espírito dos malucos ancestrais, num acerta mais nem um cruzamento. Aí, só folha de arruda na causa. E tem que ser de um pai de santo de Cachoeira.

O que parece não ter jeito mesmo, repito, é esta condenada Série B. No rojão que vai é provável que o campeão seja decidido num jogo de ludo, dominó ou palitinho.

 

P.S Como desgraça pouca é bobagem, minha amiga tricolete Vilma Mota veio em lembrar que o Vitória é vice da competição, esquecendo-se de que a injúria dela tá bem pior, pois é a terceira colocada, ou seja: é o VICE do vice.

Este é o (des) nível da disputa. Oremos.

Anúncios

2 Respostas to “QUEDA PARA O ALTO (VOLUME 2)”

  1. marciomelo Says:

    Pior de tudo, toda essa injúria no dia do meu aniversário. Ninguém merece

  2. LRANDRO Says:

    E TA FEIO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: