SOB O SIGNO DA LIDERANÇA

 

O ponteiro do relógio não marcava nem 21h, quando este rouco e incansável locutor decidiu ultrapassar as catracas do Parque Sócio Ambiental, Santuário Ecológico Manoel Barradas, o Monumental BARRAQUISTÃO. Os refletores ainda estavam apagados e o estádio completamente vazio, tanto literal quanto simbolicamente. Prevalecia um infame incômodo, proveniente não apenas da vergonhosa posição do time no campeonato. Era algo muito mais grave. Não havia torcida. E pior. Lá também não estava meu amigo João Sampaio, com quem frequentei aquelas arquibancadas nas últimas décadas.

Porém, depois de algumas fracassadas tentativas, havia decidido finalmente encarar e superar este difícil luto. É fato que eu já tinha visto uns jogos depois que ele se foi, mas este seria o primeiro depois desta complexa decisão. Desde sempre éramos uma dupla, desta que se forma por mágica, quando um gritava e xingava o árbitro, o outro orientava o time e vice-versa. A partir de agora, ou melhor, de ontem, eu tinha que aprender a ser só.

Felizmente, eu não estava só. Além de alguns amigos, que sempre encontro na tradicional esquina da zuada, contamos com a volta de Escudero.

Putaquepariu a categoria!!!

É impressionante como este rapaz sabe do jogo. Não é um craque formidável, não é um atacante matador, muito menos tem aquele brilho faiscante que encanta torcidas. Nada. Ou melhor, tudo. Ver Escudero em campo é como ouvir chorinho: sabemos que nada de mal vai nos acontecer. Ele joga e faz o time jogar por (boa) música.

E ontem não foi diferente.

Após chegar de uma longa viagem internacional (sorry, periferia), soube que o time Vitória estava praticando um futebol mais incompreensível do que os discursos dos candidatos a presidente, pronunciamentos estes que parecem ser redigidos por Mangabeira Unger.

Mas derivo. Derivo e volto para dizer que minha canhota organizou meu baba. Driblou, marcou, chutou a gol e, principalmente, com sua inexorável e quase silenciosa liderança, passou confiança à equipe. Até este goleiro paraguaio, que me pareceu um tremendo mão de quiabo, sentiu-se mais seguro. (Um fato notável foi que o camisa 1 no final do jogo ajoelhou e agradeceu aos céus. Pela leitura labial, deu para perceber que ele disse assim: “Obrigado, Maomé, por mandar este Messias chamado Escudero para nos salvar”).

Quem também se salvou foi Nino. Deu uma ou duas bragas, mas fez uma partida digna, assim como a deficiente zaga, que superou suas incríveis limitações. O resto do time (exceto Juan, que tem uma vontade louca de sempre  enojar o baba) cumpriu sua função, com mais ou menos brilho. Ah, sim. Vale um menção especial para Richarlyson, que abandonou sua estranha mania de dar toquinho para o lado e assumiu suas responsabilidades de coadjuvante de Escudero.

Enfim, mais do que a liderança do returno (sim, rebain de miseras, somos um dos líderes do returno), o triunfo sobre o Internacional restitui algo de sagrado ao time: a confiança de que é possível fazer diferente.

Então, é isso. A diferença para o G4 agora são de apenas 15 pontos. Recomendo a Corinthians e outras carniças que comecem a dançar com a bunda na parede pois a banda agora tem maestro que bota pra vê tauba lasca ni banda.

 

P.S.1 Por falar em madeira, digo apenas o seguinte para meus amigos sardinhescos: segure em minha laterna e balance, rebain de sacanas. Vão abanar seu carvão molhado, pois sou líder do returno.

P.S.2 E o coitado do Neto Coruja. A galera ontem no estádio estava dizendo que ele machuca mais do que Will. Vocês que são entendidos deste negócio, é isso mesmo?

 

Anúncios

9 Respostas to “SOB O SIGNO DA LIDERANÇA”

  1. ELIEL BARRETO FILHO Says:

    Caramba ! Gosto de ler seus comentários e já estava sentindo falta. Quando se ausentar, escreva de lá de onde estiver. PARABÉNS ! ! !

  2. Duilio Camardelli Says:

    Que que isso profeta do apocalipse, voltou com a boca em brasa,parecendo o satanás, cruz credo !!!!!!!!!!!!

  3. Márcio Santos Says:

    Cara, nunca mais um texto… Curto demais.
    Valeu!!!

  4. João Carlos Pereira dos Santos Says:

    Valeu grande Franciel, concordo com o texto, Parabéns.

  5. Thairone Dates Says:

    HAHAHHA! Eu acompanho os textos desse cara desde 2010 porém nunca tinha feito um comentário, eu sempre gostei dos seus textos. E já estava sentindo falta já. Valeu ae Franciel e continue com os textos e alegrando os pós-jogos!

  6. Caio Tito Says:

    Pensei que era só que vejo o paraguaio como mão de alface, ou quiabo… carinhosamente apelidado por mim mesmo de Quiabito Fernandez.

    Espero que a força continue ao lado do jovem padawan e que continuemos líder do returno!

  7. João Says:

    Quem é lanterna agora de novo!?

  8. Vou pegar leve… | CORAÇÃO RUBRO-NEGRO Says:

    […] o termo do fantástico “Sêo Françuel”, que está de volta, “derivo”: o maior mal da humanidade é a ignorância. Dela origina um outro grande mal, o […]

  9. Rizho Says:

    Em primeiro lugar, boa noite!

    Em 20º o Vice!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: