VERGONHA E REDENÇÃO

Qualquer manual fuleiro da boa escrita ensina que se deve evitar, a todo custo, as repetições. Os bacanas dizem que elas empobrecem os textos, deixando-os mais combalidos do que minha maltratada conta bancária.

Porém, com o couro curtido no contraditório barroco, mando às favas tais etiquetas e sempre apelo às recorrências & reincidências, lambuzando as prospopopéias que aqui rabisco com as indefectíveis anáforas, epanalepses, epístrofes, simplaces, anadiploses e outras mumunhas menos cotadas.

Das minhas obsessivas repetições, as maiores são contra aqueles torcedores que, emprenhados pelos ouvidos por radialistas escrotos, trituram o nosso futuro, desancando ferozmente os meninos da base do Vitória. Nas vozes gritadas destes infames, o craque de bola Leandro Domingues virou apenas um Leandro Dormindo e o bom e raçudo Gabriel transformou-se em Bagriel, entre outros inúmeros exemplos. Contudo, tem um caso que faz com que os hereges ultrapassem os limites, atingindo um patamar quase que doentio: Marcos Antônio da Silva Gonçalves.

PUTAQUEPARIU A PERSEGUIÇÃO!!!

Desde que o menino Marquinhos do Prado, como ele era conhecido em priscas eras, vestiu o manto de titular em 2008 não há sossego. É fato que, na ocasião, por conta de atuações soberbas, os caluniadores tiveram que engolir os impropérios. Mas não por muito tempo. Bastou o guri assinar o contrato com o Palmeiras para os maledicentes garantirem que ele ia entregar a rapadura e etc e coisa e tals.

Como os canalhocratas não podiam reclamar da qualidade do seu futebol naquela irrepreensível temporada, inventaram de implicar com a cor verde da chuteira que ele passou a usar em algumas pelejas. Porém, mesmo no jogo de despedida contra seu futuro clube que disputava vaga na Libertadores, Marquinhos fez o que sabe. Foi rápido, fominha, habilidoso, mascarado e, em alguns momentos, brilhante, genial, infernizando a zaga alviverde.

(E olhe que Marquinhos estava tão baleado na ocasião que, antes mesmo de estrear no Palmeiras, teve que passar por uma cirurgia. Porém, de nada valeu este exemplo de dignidade, conforme veremos mais adiante).

Depois no exílio no Sudeste, retornou em 2011 virado ainda mais no raio da silibrina e marcou 13 decisivos gols em 19 partidas. E só não nos levou ao desejado acesso naquele ano porque o técnico Vagner Benazzi deixou ele, combalido, em campo mesmo o jogo contra o Salgueiro já estando decidido. Resultado. Marquinhos, que com erros e acertos nunca foi de se esconder, deu um pique desnecessário e se contundiu, ficando de fora das partidas decisivas. Nova contusão em 2012 impediu que brilhasse, mas não que ajudasse o time a subir para a Série A.

E foi novamente na Série A que o Gênio Franzino voltou a brilhar. Ao reconquistar a titularidade no segundo semestre tornou-se, juntamente com Escudero, o responsável pela brilhante campanha do Rubro-Negro na fase final do Brasileirão. Apesar de ter sido decisivo em diversos jogos, é óbvio que falhou em outros, como todos os jogadores. E foi então que a fúria dos sacripantas começou a tomar contornos infames, atingindo o ápice neste início de 2014.

E por que esta sanha persecutória contra um jogador com tal histórico?

Seguinte.

Quando ainda havia a mão dupla da crítica mas também dos elogios, inferi que a torcida do Vitória iria prosseguir amando-o e perseguindo-o porque é o destino dela ser assim – exacerbadamente contraditória.

Porém, o que parecia uma simples perseguição contra mais um jogador da base foi se transformando num ódio ancestral. A partir de então, intui que o problema era outro, o velho complexo de vira-latas daqueles que sempre acreditaram que a redenção Rubro-Negra virá com algum estrangeiro bem nutrido – e não através de um menino pobre e raquítico, saído do longínquo lugarejo do Prado.

Era como se o ranço elitista e deslumbrado de alguns estivesse a gritar que um time nascido na região aristocrática da velhaca Soterópolis não pode ter como herói um sujeito assim, humilde e abusado ao mesmo tempo.

E esta tese ganhou reforço agora na renovação de contrato de Marquinhos. Os aristocratas ou mesmo alguns frequentadores de cimento da arquibancada não admitem que ele possa ganhar bem pelo seu ofício.

Porém, para além do ranço elitista, é agora a voz dos senhores escravocratas. Senhores que estão a dizer a seguinte mensagem que não têm coragem de verbalizar. “Quem este negro pensa que é?”

Muitos deles gostam de dizer que Marquinhos é soberbo, como se tal comportamento não fosse apenas uma autodefesa, uma proteção diante de tantas hostilidades. Aliás, caso assim não agisse, de modo um tanto quanto instintivo, ele já teria sido engolido por esta engrenagem estupidamente escrota e racista.

Sim, racista, pois é difícil achar outra explicação para tanto ódio senão este racismo velado e ancestral. Afinal, para pegarmos um exemplo recente, na novela da renovação de Maxi Biancucchi poucos questionaram quando a diretoria ofereceu 150 mil dinheiros. Ao contrário. Achavam que o clube deveria dar o que ele quisesse. E olhe que o argentino nunca soube o que é voltar para ajudar o lateral, além de ter passado um século no departamento médico, contundido, como aliás tem acontecido em sua inconstante carreira.

Pois em relação a Marquinhos, principalmente nos últimos tempos, o comportamento de parcela dos torcedores tem sido doentio. Até mesmo quando o pivete marca gols decisivos gols, como na última partida contra o Fluminense diante de um Maracanã lotado, seus detratores não o perdoam. O inverso é o verdadeiro. Partem para o ataque, como se fosse uma vergonha ganhar o jogo pelos pés de um negro frazino.

É, é isto. E esta gente se guia por este sentimento tão mesquinho por medo. Medo de compreender que Marquinhos não é motivo de vergonha, mas sim um símbolo de nossa capacidade de redenção.

P.S Por falar em vergonhas e redenções, seguinte. O modo como nosso time secularmente é gerido, escanteando os torcedores, é vergonhoso. Porém, temos a chance de nos redimir, tomando o destino em nossas mãos.

Um bom caminho para conseguir tal objetivo é participar da convocação de uma Assembleia Geral Extraordinária para democratizar o nosso Clube. Quem tiver interesse, basta acessar este linque https://groups.google.com/d/forum/vitoria_livre

Anúncios

29 Respostas to “VERGONHA E REDENÇÃO”

  1. nivaldo Says:

    Caro,
    Bom dia,
    Você também faz parte do grupo denominado século 21?
    Quando comecei a simpatizar pela causa do grupo eis que seu(s) lider(es) foram presos e não foram pelas mãos da diretoria do Vitoria.
    Êles também estarão inclusos juntamente com aquele senhora(odontóloga) nessas reinvidicações(suas)?

    Obrigado,
    Nivaldo Antonio

    • Franciel Says:

      Nivaldo, se você me conhecesse nem faria esta pergunta retórica.

    • jbassu Says:

      Seu menino, permita me responder por vossa senhoria.
      Nivaldo, o caso foi assim:
      Fraciel, junto com outros guerreiros, tiveram a iniciativa de criar o grupo MSMV com intuito de ter o torcedor mais participativo na vida do clube amado. Mas ai apareceu uns aproveitadores querendo eternizar dois mortos vivos, juntamente com os irmaos metralhas e a referida odontologa, deram uma senhora punhalada nas costas do Franciel que de uma maneira elegante afastou-se da corja (assim como outros verdadeiros rubro-negos).
      Ta explicado???

      Um abraco

      P.S. Nao tenho procuracao nenhuma do grupo que criou o MSMV, apenas nao aceito mal caratismo.

      P.S do P.S. Oh sacanildo, vem ou nao vem???

  2. Vinícius Magalhães Says:

    O mais interessante em Marquinhos é que ele tem apenas 24 anos, apesar de já estarmos tão acostumados com a presença dele em campo, o garoto ainda tem muito futuro. O rapaz ainda tem uma média de 1 gol a cada 3 jogos. Muito boa!

    Concordo com o nobre em relação ao Mini argentino, a torcida só faltou morrer quando a direção não aceitou os desmandos do seu empresário, mas, ainda assim, não vejo Marquinhos merecer um aumento de 100-150% como especula-se na mídia. A valorização é justa, o aumento abusivo, não.

  3. Iuri Says:

    Gênio Franzino!

  4. Leonardo Teixeira Says:

    Ê Franciel…

    Como leio (e admiro) os seus textos não é de hoje, vou pressupor que alguma severa doença o acometeu ou que um espírito maligno do satanás lhe possuiu (lá ele), quando da confecção destes delirantes rabiscos…

    1) A genialidade franzina do menino Marquinhos é altamente questionável.

    2) A regularidade dessa genialidade franzina simplesmente morreu no longínquo ano de 2008.

    3) Temos uma fantástica média, genial e franzina, de 3 partidas horrorosas e 5 medianas para cada 1 partida genial (e franzina).

    4) Você pode ser um fã inconteste do futebol genial e franzino do menino do Prado, mas não pode em sã consciência negar que os seus críticos exercem as suas críticas por mera perseguição, sem motivos ou argumentos. Eu, por exemplo, poderia fazer aqui uma bíblia de argumentos do porquê considero que o gênio franzino é um jogador apenas para compor o elenco e, JAMAIS, ser titular.

    5) Atribuir as críticas à um jogador de futebol ALTAMENTE INSTÁVEL e QUESTIONÁVEL a um suposto (pra ser generoso com o senhor) “ódio ancestral”, com pitadas de “ranço elitista”, acrescidas de um pouco de “racismo” é, no mínimo, ser leviano.

    Discordo da sua idéia central e de quase todos os seus argumentos para defendê-la, mas essa é a beleza da vida.

    Que o “gênio franzino” me desminta e contrarie o seu retrospecto nos últimos 6 anos, nos brindando com uma participação decisiva no sar x VI, não obstante minha esperanças quanto a isso sejam mais escassas que a vergonha na cara da moça do shortinho Gerasamba.

    SRN!

    • Leonardo Teixeira Says:

      *mas não pode em sã consciência AFIRMAR

    • Franciel Says:

      Meu craque, antes de tudo e de mais nada, é extremamente salutar debater em tão alto nível.
      Feitas as mesuras, vamos voltar à pancadaria, rápida e caceteira.
      Seguinte.
      Você tem todo o direito de afirmar que Marquinhos joga “3 partidas horrorosas e 5 medianas para cada 1 partida genial (e franzina)”. Assim como também t~em o direito de afirmar que a regularidade morreu em 2008.
      O problema, meu caro, é que isto que você fala tá no campo subjetivo e, no meio disso, tem uma disgrama de estatística ( á qual nem gosto de recorrer), para apontar em outra direção.
      Quando ele retornou em 2011, Marcou 13 gols de apenas 19 jogos do Brasileirão, fazendo com que fosse levantada então a teoria da Marquinhos dependência. Portanto, vê-se que a tese da regularidade ter morrido em 2008 sofre abalos.
      Quanto à questão do racismo, é um tese que levantei por não entender tanto e tamanho ódio a um jogador de apenas 24 anos e que tem estes números, nunca se esconde do jogo e faz muitas jogadas e gols geniais( Os videoteipes, que Nelson abominava, estão aí para confirmar).
      Ainda sobre o racismo, é óbvio que nem todas as críticas são movidas pelo mesmo. Inclusive faço questão de destacar que é uma parcela. Tenho a convicção de que não é seu caso, mas que o velado ódio racial tem escorrido nas arquibancadas diante de Marquinhos não tenho mais dúvidas.

      Abraços.

      • Leonardo Teixeira Says:

        Pancadarias de alto nível à parte, acho que concordamos num ponto: o dito cujo não se omite. Como ele sempre aparece muito e, quase sempre, tenta algo diferente, acaba errando muito mais que os outros.

        Talvez aí esteja a minha (e de muitos outros) grande resistência quanto ao Aedes Aegypti… Muitas vezes a jogada mais simples surtiria muito mais efeito, mas ele veste a máscara do zorro e acaba estragando a zorra toda. Quantas vezes não vimos o desinfeliz, com totais condições de finalizar, tentar um passe ou um toquinho pra trás e acabar não brocando a porra da rede?

        Mas é isso, meu velho… De vez em quando ele encarna o gênio franzino e acerta uma bomba de fora da área, no ângulo, no final da partida, como fez contra o vasco.

        É por isso que quando o menino Marcos pega na bola eu sempre fico “à espera de um milagre”.

        Grande abraço!

    • Franciel Says:

      Ah, sim, mais um complemento. Não podemos nos esquecer que o Vitória deixou de participar de alguns campeonatos no início do século passado porque a aristocracia do Clube não queria se misturar com os colored, que eram como os jogadores negros eram chamados na ocasião.
      É preciso que reconheçamos isto até mesmo para superar.
      A propósito, acho que vou escrever mais sobre o tema.

    • marcelo Says:

      Concordo com o amigo Leonardo Teixeira.

      Apesar de não comentar por aqui, sempre leio os seus textos e sou fã da forma como você escreve.

      Mas, em relação ao atual e gramaticalmente brilhante texto, discordo completamente do seu conteúdo.

      Acho Marquinhos um jogador extremamente irregular, erra muito mais do que acerta e absurdamente discplicente.

      Não sou racista e muito menos elitista. Analiso o futebol, independente de cor, raça, gênero, e, principalmente, números.

      Discordo da clássica análise fria do futebol através dos números e estatísticas. Desta maneira, trocamos os pés pelas mãos por diversas vezes.

      Os dois gols de Marquinhos contra o fluminense, por exemplo, entram nas estatísticas como números positivos, mas para mim não querem dizer nada.

      No primeiro gol, ele deu sorte, pois a bola desviou e enganou o goleiro, que iria fazer a defesa facilmente, e, no segundo gol, se atrapalhou com a bola, o que também atrapalhou o zagueiro e o goleiro, e acabou fazendo o gol.

      Ou seja, por uma fria análise dos números, Marquinhos foi O CARA. Seleção da rodada… Pontuação alta no cartola… Dois gols em uma só partida… Mas isso oblitera completamente o rendimento dele na partida como um todo, que não foi nada acima da média.

      Aliás, o que vi foi ele entregando o leite por duas vezes, e deu sorte que não resultou em gols do fluminense (em uma das entregadas teve uma bola na trave), e isso os números não levam em consideração.

      Os números também não levam em consideração a quantidade de passes errados, chutes errados, gols perdidos debaixo da trave, seja por displicência ou seja por excesso de preciosismo, contra-ataques dados para o time adversário por causa de um lançamento ou passe de 2 metros errados.

      Sou completamente contra a sua renovação. Acho que ele é jogador de série B e/ou no máximo para compor elenco, e o seu salário deveria ser no máximo 30/40 mil reais. Também discordo da comparação dele com Maxi.

      Marquinhos não amarra a chuteira do pé direito de Maxi e qualquer entendedor de futebol enxerga isso no arriar das malas.

      O que tenho percebido é o surgimento de dois movimentos nas arquibancadas e blogs da vida:

      1 – O movimento do torcedor-modelo. Aquele que é cego e surdo pelo time. Aquele que nunca vaia, que nunca reclama, que nunca xinga. Aquele que apoia o tempo todo. Aquele que não reclama nem quando perdemos para o bahia por 6 x 0, ou quando somos eliminados do J Maluquete. Esse torcedor, na minha opinião, é extremamente prejudicial ao futuro do clube, pois é quem sustenta e dá lastro para as decisões equivocadas da diretoria. Não acho que você, Franciel, se encaixe neste perfil (só para constar, caso você se sinta ofendido);

      2 – O movimento dos torcedores protetores dos CRAQUES da base. Este movimento, por vezes, se confunde com o movimento dos torcedores-modelo, pois estes, em sua esmagadora maioria, também são defensores da base. Enfim, este perfil de torcedor surgiu como uma afronta aos “perseguidores da base”, e, como todo movimento de contracultura, procura o outro extremo, o outro lado da moeda. Ao contrário dos perseguidores, vejo agora uma exacerbada proteção aos meninos, como se todos os jogadores da base tivessem a famosa “Aura de Craque” (by Fabio Monteiro). Também discordo veementemente desta posição. Devemos, sim, valorizar a base, pois é ela pode nos dar bom retorno financeiro, mas sou contra esta proteção exagerada. Se um cara joga mal, ele vai ser cobrado em qualquer time do mundo, seja no vitória, no flamengo, no são paulo ou no barcelona. Vejam que até messi está sendo criticado no barça. Estou falando do melhor jogador do mundo por 4 anos seguidos, e talvez o melhor jogador de todos os tempos depois de Pelé e estrela do elenco que é considerado um dos melhores de todos os tempos.

      Acho que posturas como essa acabam sustentando jogadores como Marquinhos, Adriano Pardal e cia., o que dá respaldo para a diretoria não contratar ninguém para as nossas posições carentes, pois simplesmente temos o CRAQUE Marquinhos para assumir a titularidade do nosso ataque.

      Com todo o respeito e fortíssimo abraço.

      • Franciel Says:

        Prestem atenção nestas aspas do menino Marcelo que também debateu em alto nível.

        Marquinhos não amarra a chuteira do pé direito de Maxi e qualquer entendedor de futebol enxerga isso no arriar das malas.

        Agora, eu pergunto. Como efetivamente fazer tal comparação. Maxi já tem 30 anos e nunca teve uma temporada que possa ser considerada excelente.

        Vive sendo demitido por clubes por onde passa quando não fica esquentando o banco de reservas.

        O que ele fez de tão excepcional para que Marquinhos não possa nem amarrar a chuteira dele?

        É um jogador individualista, não volta para o combate, raramente joga para a equipe, enfim.

        Em qualquer critério é, no máximo, um jogador mediano, com lampejos. Porém, parte da torcida aceita que ele merece receber fortunas.

        Percebem?

        P.S Talvez a melhor fase na já longa carreira de maxi tenha sido no Vitória. Ainda assim passou cerca de metade do tempo contundido. E a torcida faz questão de esquecer que ano passado ele foi o responsável direto por nossa eliminação na Copa Sulamiranda, perdendo um pênalti. Ah, se fosse unseoutros…

      • Eduardo Says:

        Tenha certeza de que a melhor temporada de Maxi foi no Vitória, nunca ele fez tantos gols em uma temporada, em uma ano de Vitória ele fez mais gols do que ele tinha feito em qualquer outro time. Então acho que Maxi é um bom jogador que aproveitou bem o bom momento ofensivo que o time viveu em toda a temporada.

  5. Ubaldo Oliveira. Says:

    Franciel, como gostaria de ter competência para ter escrito esse texto sobre o jogador Marquinhos. Nele está tudo e mais algumas coisas que penso sobre o tema. Um abraço, velho.

  6. Xaxa Says:

    Texto para ser lido por todo torcedor do Vitória, com a plena esperança de que serão banidos da nossa nobre arquibancada o complexo de vira latas, a carência sem causa, o emprenhamento pelo ouvido.
    Essa parcela da torcida tem muita disposição para reclamar e vaiar, mas nada de apoiar o time, muito menos participar de um movimento para democratizá-lo.

    * e ainda lembro de Elkson, que sempre participou ativamente de todas as partidas (a maioria delas com uma boa atuação) e foi escorraçado pela torcida

  7. Marcio Freitas Says:

    Não esqueçam de Léo. Acho que a criatura não participou de um jogo do Vitória sem ter sido vaiado. foi sair do vitória e fez um grande campeonato pelo Atlético do paraná.

  8. Canijah de Moreré Says:

    Não consegui o tal acesso pelo link.

  9. J Mocota Says:

    Fran-Fran que Mocota tanto admira.

    Parabéns pelo belíssimo texto!

    Plac, Plac, Plac… (01)

    PS – Mocota parabeniza também os irmãos Rubro-Negro Xaxa e Marcio Freitas que reforçaram a tese do gênio Franciel quando citaram: Elkeson e Léo.

    Plac, Plac, Plac… (02)

    ———————

    Eleições Diretas em 2016.

    Avante Leão!

  10. Eduardo Says:

    Eu outro blog, no espaço para comentários, certa feita eu me surpreendi eu ver um torcedor chamar Marquinhos de “câncer do Vitória”. Apesar de respeitar a sempre bem vinda diversidade de opinião, achei que poderia apontar a importância do jogador através de números, e assim o fiz, somando as assistências e gols marcados por Marquinhos em 2013 (números que tenho preenchendo por diversão uma planilha com detalhes das atuações do nossos jogadores em todos os jogos). Pois bem, depois de deixar os números falarem por mim, passei a ser conhecido no ambiente virtual mais ou menos como “O menino que tortura números para deporem a favor do Mosquito da Dengue Cancerígeno”.
    E de fato, Marquinhos não é um jogador incontestável, mas daí a achar que ele é o “câncer” é um coisa que me desperta certa surpresa. No meu caso o caminho que encontrei pra entender o caso foi o detalhe da coragem do garoto: Marquinhos mesmo sabendo da perseguição de parte da torcida NUNCA se esconde no jogo. Algo muito parecido acontecia com Elkeson, outro corajoso jogador da base e sempre perseguido.

    • Leonardo Teixeira Says:

      Meu querido, quem usou a expressão “câncer do Vitória” fui eu.

      Na época expliquei que, devido a existência de Marquinhos, a diretoria insiste em não investir num atacante de beirada de qualidade.

      Expliquei também que nós, torcedores, por conhecermos os lapsos de genialidade dele, sempre temos a esperança de que ele possa fazer algo diferente a qualquer momento, motivo pelo qual suportamos 3 atuações ridículas e 5 medianas, no aguardo da tão sonhada partida decisiva.

      Por fim, falei que Marquinhos (atualmente com uns 10 anos de ECVitória), depois de ter passado por queridinhos do eixo como Flamengo e Palmeiras, certamente carrega aquela carga de conformismo e derrotismo que está impregnada no clube, começando pela própria direção.

      Alguém aqui já reparou que o supracitado jogador SEMPRE dá as mesmas entrevistas pós-jogo, independente do resultado?

      Vitória eliminado pelo J Malucelli: “O time tentou, mas hoje não deu. Não faltou raça. Agora é pensar no próximo adversário que é uma equipe forte.”

      Vitória empatando contra um time qualificado: “O time tentou, mas hoje não deu. Não faltou raça. Agora é pensar no próximo adversário que é uma equipe forte.”

      Vitória campeão em cima do jahia, de virada: “O time tentou e hoje foi feliz. Não faltou raça. Agora é pensar no próximo adversário que é uma equipe forte.”

      Me incomoda muito que um jogador criado aqui, com tanto tempo de casa, ídolo de tantos torcedores, nunca saia do protocolo, nunca se revolte com um vexame. Eu posso estar errado, mas tenho quase certeza de que ele acaba por contaminar os mais jovens com esse espírito de “faça o seu feijãozinho com arroz porque aqui eles pagam em dia”.

      Quanto aos números que você colhe das suas planilhas, faço minhas as palavras do amigo Marcelo. Números são frios e, muitas vezes, quando recortamos as partes que nos interessa, acabam se distanciando da realidade. Nessa planilha você costuma colocar dados como passes errados, gols perdidos, contra-ataques proporcionados e etc?

      Porque eu lhe garanto uma coisa: se Marquinhos fosse o jogador decisivo dos números frios que você defende, ele não seria tão contestado e, até mesmo, perseguido como alguns entendem. A torcida não é maluca, retardada ou imbecil.

      Por fim, quanto ao seu apelido criativo, não tenho qualquer participação, embora tenha achado até bacana.

      Abraços

      • Franciel Says:

        Meu caro, sem querer render mais a polêmica, mas acho que cabe um reparo quanto a esta sua observação. “Porque eu lhe garanto uma coisa: se Marquinhos fosse o jogador decisivo dos números frios que você defende, ele não seria tão contestado e, até mesmo, perseguido como alguns entendem. A torcida não é maluca, retardada ou imbecil”.

        A torcida, como um todo, não, mas parte expressiva da mesma, sim.

        Já vi torcedores vaiando Elkesson logo após o mesmo ter feito o gol que nos deu um título, isso para citar só um exemplo.

        Tem muitos outros. A galera diz que o cara num tem condições de vestir a camisa do Vitória e o sujeito vai jogar em outros times. E bem. E não vale a desculpa de que ele jogou lá e não auqi porque os dirigentes do outros times não são malucos para sempre enxergarem jogadores ruins no Vitória e contratarem. É óbvio que pode existir um caso ou outro, mas na totalidade, não.

        Peguemos os quatro últimos zagueiros bos que passaram pela base. David Luiz, Wallace, Anderson Martins e Gabriel.
        Sofreram o fermento que o diabo rejeitou na mão de parcela expressiva da torcida.

        Mas, enfim. Sigam o debate. Tá bom.

  11. Eduardo Says:

    1- Vc escreveu: tenho quase certeza de que ele acaba por contaminar os mais jovens com esse espírito de “faça o seu feijãozinho com arroz porque aqui eles pagam em dia”.
    Sobre isso não tenho como opinar, não tenho bola de cristal pra saber qual grau de influência das ações de Marquinhos na cabeça de outros jogadores.
    2- Sobre números, é lógico que eles sozinhos não conseguem responder todas as questões do futebol, mas são um bom indício. Os números que ele alcançou, outros tiveram oportunidade de alcançar e não conseguiram. Os números deles são ainda mais relevantes se considerarmos que não se resumem a uma ou outra temporada, eles são bastante constantes.
    3- Sobre o valor do salário, eu também não tenho como opinar, afinal não conheço o valor dos ganhos reias de cada jogador para fazer uma comparação segura. Mas julgo que Marquinhos merece ganhar valores similares aos pagos à Maxi, por exemplo. E entre a sardinha anã argentina e o menino rubro-negro, eu fico com o menino.
    4- Diversas vezes me irrito com as jogadas erradas de Marquinhos, mas no geral o admiro pela qualidade e pela coragem de não se omitir, e sempre tentar as jogadas.

    • Leonardo Teixeira Says:

      É claro que ele tem pontos positivos. Isso é óbvio e ninguém pode negar! Ele é capaz de fazer aquele gol contra o vaxxxquinho em São Januário e é capaz de perder outros, como contra a portuguesa, no Canindé, debaixo do gol e sem goleiro.

      A minha ressalva é que se fosse 50% genial e 50% medíocre seria ótimo… Porque a cada duas partidas, ele decidiria uma. Só que não é, minha gente… Nós sabemos o quanto os lampejos têm ficado cada vez mais escassos desde aquela temporada fantástica de 2008. Ali sim ele era regular… Marquinhos comia a bola jogo sim e jogo também. Mas aí muita coisa mudou. Contusões, acomodação, cachaça, biscoito recheado…

      Ele tem o lado bom de não se omitir. Isso é uma qualidade. Só que ele tem o lado ruim de mascarar os lances. E isso é um defeito.

      Gosto é gosto e eu prefiro 10 vezes mais Maxi de 2013 (que é o que eu conheço) do que o Marquinhos de 2012, 2013 e 2014. E posso te garantir que não penso assim sozinho.

      Cada um na sua e vamos e frente!

    • marcelo Says:

      Eduardo e demais,

      O argumento de que Marquinhos “não se omite”, na minha modesta opinião, não quer dizer nada.

      Sinceramente, sou fanático por futebol e pelo Vitória, se me escalassem no time como titular, ganhando apenas 10% do que Marquinhos ganha, eu também não me omitiria, correria o jogo todo, jogaria com toda a raça que minhas vísceras conseguissem produzir, deixaria de beber, comer biscoito recheado, me alimentar de fast food…

      Mas, e aí? Isso faria de mim um craque incontestável? Só por que eu não me omitiria?

      Não é bem assim. O mundo futebolístico está cheio de jogadores que não se omitem, e nem por isso eles são craques ou bons jogadores.
      Eles são, ora, apenas jogadores que não se omitem!

      Volto a ressaltar a importância de não analisarmos futebol através de números e estatísticas frias.
      Pergunto àqueles que gostam de fazer este tipo de análise:

      Que tal avaliarem as estatísticas fantásticas Lúcio Maranhão? 40 gols em 2012. Terceiro maior artilheiro do Brasil.
      Percebam que isto não faz dele nenhum craque, muito pelo contrário. Se fossemos avaliar este jogador utilizando apenas os números, imaginaríamos que o mesmo estaria credenciado para ser titular do Bayern ou do Real Madrid.

      Que tal avaliar Adriano Gabiru? Gol do título do Internacional em 2006, em cima do poderosíssimo Barcelona de Ronaldinho Gaúcho. Mais uma vez, isto não quer dizer nada.

      O que precisamos entender é que o futebol é uma equação com múltiplas variáveis e infinitas combinações, arranjos e permutações.

      Milhares de fatores influenciam no resultado de uma partida e no desempenho de um jogador, sendo os números e estatísticas apenas o resultado – e não a causa – desta combinação multifatorial, que faz com que jogadores como Marquinhos, por exemplo, faça dois gols de sorte no fluminense em pleno maracanã lotado, e que faz com que o mesmo Marquinhos dê uma entregada fatal na entrada da área mas o chute do jogador do fluminense bateu na trave.

      O que realmente não entendo é toda esta proteção com Marquinhos em 2014, se o mesmo só fez 5 gols no ano (1 na Copa do Nordeste, 2 no fraquíssimo Baiano e 2 no Brasileirão).

      Se pensássemos como um investidor financeiro, Marquinhos seria um péssimo negócio.

      Milhares de jogos ruins, muitas entregadas, muitos passes errados, muitos gols perdidos, condição física apenas mediana, displicência muito grande, titularidade, salário alto e tudo isto por apenas 5 gols no ano.

      É melhor deixar o dinheiro na poupança do que pagar para um jogador como ele… É capaz de render mais…

  12. Eduardo Says:

    o A craseado pra Maxi se deve ao fato de ele ter trocado de gênero ao se tornar uma sardinha.

  13. Jessica Says:

    Franciel, com todo respeito, achei um pouco de viagem!

    Já esclareço logo que não é porque penso que “esse negócio de racismo não existe mais”. Claro que existe, existe muito! Falo como qualquer pessoa consciente, mas também como alguém que tem conhecimento de causa, pois sei como as coisas funcionam. Nunca passei por nenhuma situação flagrante de discriminação racial, mas isso está em coisas sutis. Tem gente que tem ódio mesmo, mas tem gente que nem enxerga que está sendo racista, é inconsciente, está arraigado, por isso (e por outros motivos) é sempre bom fazermos periodicamente um exame de consciência… Sei que o negro ser bem sucedido incomoda muita gente, para esse tipo de gente incomoda o negro estar num ambiente que elas acham que ele não deveria ter condições de estar, incomoda o negro estar no seu prédio de classe média sem ser um empregado. Todavia, acho importante não ter a leviandade de (pré)julgar que em qualquer contrariedade, qualquer problema que venha a ter com alguém, está lá a questão da “cor”

    Bom, depois dessa fala toda, o que quero dizer é que apesar disso (de os racistas estarem na torcida, também, claro, pois estão em toda parte!),de coração, não enxergo assim.
    Boa parte da torcida do Vitória é madrasta com os jogadores da base (sou defensora sim, mas não de que jogadores sejam blindados e “suportados” eternamente, apenas de que haja um pouco mais de tolerância, ou um pouco menos de intolerância,melhor dizendo).
    Percebe-se uma paciência maior com quem vem de fora, aí talvez entre a idéia, inconsciente claro, não só no nosso caso. de que qualquer jogador vir jogar no nordeste já é quase que um favor. Enquanto isso, os da base estão nos devendo, devem pagar. E nisso não há distinção de cor!
    E ainda digo mais, pelo contrário, com Marquinhos sempre houve muito mais paciência do que com vários outros, talvez por terem visto potencial nele sim. Por isso tudo, acho que não procede esse argumento.

    Mas paciência acaba, a minha já acabou! Não é porque ele tem um lampejos de vez em quando, não é por causa de dois gols em um jogo, depois de trezentos jogos ruins, que a minha opinião vai mudar, não sou tão volúvel assim rs.
    Eu gostaria que a agora sardinha tivesse renovado, não é porque virou a folha que vou negar, mas também ressaltei que não se deveria aceitar pedidas exorbitantes, enfim, o que se soube foram especulações e parece que no final acabou se tornando algo pessoal.
    No meu time, por tudo que ele tem apresentado, eu não iria querer ele. Pra mim, não Marquinhos não paga em campo esse dinheiro que estão dizendo que ele quer.
    Não me interessa se ele é preto, soberbo, franzino, só me interessa que ele jogue!

    P.S.: Não tenho o costume de comentar aqui, um colega postou um link lá no blog de Fábio e eu não poderia dar minha opinião em outro lugar

    SRN.

    • Jessica Says:

      Desculpe alguns erros, teclar texto longo no celular é horrível.

    • Franciel Says:

      Bom. Antes de tudo e de mais nada, seja bem vinda e comente à vontade, Jéssica. Texto longo, pequeno, sem problema algum.
      Agora, seguinte.
      Talvez exatamente por não ler os textos que rabisco (no que faz muito bem. Afinal não se deve perder tempo com bobagens), você desconheça a evolução das minhas impressões sobre Marquinhos). Já escrevi diversas vezes sobre a relação do referido com a torcida. Desta vez tentei, repetindo algumas questões, fazer uma síntese da relação da trajetória torcida x jogador na minha modesta ótica.
      Perceba que digo neste próprio texto que esta relação já foi dialeticamente insana, com perseguições e aplausos.
      Só levanto a hipótese de racismo no final exatamente porque me parece que é isto que tá guiando a atitude de muitos ultimamente. Não aqui no blog, mas especialmente nas arquibancadas e cadeiras onde o ódio tem escorrido de modo quase que incompreensível. Ao perceber isso, escrevi. Posso estar errado. lógico. Esta é uma possibilidade sempre grande.
      Porém, como já destaquei em comentário anterior, o Vitória e sua torcida precisam encarar abertamente esta questão do racismo. Até hoje, por exemplo, desconheço qualquer mea culpa do Clube por ter abandonado o campeonato baiano vários anos exatamente porque não queria se misturar com os negros.
      Saudações Rubro-negras e democráticas.

  14. Deivid Says:

    A peleja aqui está massa…

    Não poderia eu deixar de falar sobre Marquinhos…

    Ora bolas, pra mim, nem muito, nem tão pouco…

    Gosto do futebol de Marquinhos… alegre, pra frente… de fato perde uns gols bestas… e em outros momentos não consegue acertar… COMO QUALQUER JOGADOR… tem altos e baixos…

    Adianta não renovar com ele e trazer um jogador de fora pra ganhar o mesmo da renovação dele e não corresponder???

    No momento por exemplo eu acredito que Willie joga mais que ele… mas Willie não tem a confiança do treinador… fazer o que?

    CONTUDO é um bom jogador, mas que na minha humilde opinião NÃO merece receber o teto salarial do clube…

    Falaram em Maxi… sim, Maxi NO ANO PASSADO foi letal e estava em melhor forma que Marquinhos… agora ele só alcançou esse status depois que Balzaque bateu a porta não?

    SRN

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: