O dia em que a tragédia voltou em dose dupla

Amigos Rubro-negros, hoje o espaço não tratará das coisas do Vitória, mas sim do comovente relato de meu amigo Cláudio Deiró sobre duas tragédias, que de algum modo envolve também o esporte.

Espero, sinceramente, que a maior quantidade de pessoas se sensibilizem com esta triste história e ajude, com o que puder, aos enlutados familiares para tentar amenizar um pouco as tantas dores.

Eis, abaixo,  o relato do dia em que a tragédia voltou em dose dupla.

“Meus caros, essa tribuna é o local do alfabeto de a a z. Hoje traço algumas linhas em cima da letra t de tragédia e c de coincidência.

Há seis anos, considerando o dia 24 de fevereiro 2013, perdemos um dos meninos de nossa base do futebol e cidadania viva, ao se arriscar em um nado mais longo.

Tigrilinho, como era carinhosamente chamado pelos amigos, excedeu-se na confiança e a maré da praia de ondina o engoliu e só devolveu seu corpo sob os prantos de seu pai e familiares. Uma Tragédia com T maiúsculo.

Ontem, dia 24, seu primo Luis, 31 anos, mergulhador profissional, não considerou a data da tragédia histórica da família e foi mergulhar na mesma praia.

Caiu no mar com um amigo que sempre fazia a dupla do mergulho de apneia e fez um antigo percurso de um pesqueiro a dois quilômetros da costa.

Mas a própria dinâmica do mergulho em duplas faz com que os parceiros se afastem um pouco. Nisso, Luís arpoou um grande peixe e o mesmo entrou na loca. Ao tentar tirá-lo, passou por complicações e apagou.

O amigo, ao sentir falta dele, voltou pelo mesmo caminho e o viu no fundo. Tentou tirá-lo e mesmo ainda vivo, não conseguiram revivê-lo pois já vomitava sangue e muita água ao mesmo tempo.

A Samu foi acionada e não chegou. Em hora nenhuma.

Luís faleceu e deixou uma mulher e um lindo filhinho nascido no dia 23, um dia antes de seu trágico falecimento.

Tomamos conta do corpo na praia e não deixamos os urubus dos programas de meio dia filmarem o defunto. A partir dai, entrei em campo.

Acalmei todos os familiares do finado, principalmente a sogra que desabafou um choro e o lamento de uma raça.

E, com a ajuda do vento, ecou seu choro por todos os cantos da praia.

Antes mesmo de eu chegar a casa da filha, esposa do Luís, onde me dirigi para pegar os documentos do finado, a noticia teletransportou-se e lá tive que presenciar o choro de uma jovem mãe e agora viúva, ainda no resguardo.

Ela aos prantos contou que Luís passou a noite toda com o filho no colo.

Uma despedida.

E, amamentando seu filho, perguntou-me. “Moço, o que vou fazer para criar essa criança sozinha? O que vou fazer para aguentar tamanha dor?

Lhe respondi dizendo que amamentasse seu filho, com todo o amor do mundo e que o tempo iria lhe responder. Ousei falar de Deus. E mesmo sem certeza, lhe disse que Deus tem um propósito para tamanha tragédia em sua vida.

Na batida da real, peguei os documentos do rapaz e levei para a praia. Nesse momento, chegava também o rabecão. Pedi licença a multidão e entreguei os documentos as autoridades.

Luís foi levado e com ele o espanto de todos nós e dos familiares. E todos juramos perguntar a Deus, como ele poderia explicar tamanha tragédia, replicada no dia de aniversário da morte de outro ente querido da família e, no dia após o nascimento de uma linda criança, filho de Luís, o finado.

Amigos, resolvi compartilhar isso com vocês porque estou extremamente comovido e não consegui chorar. Mas, graças a Deus, consegui agora ao saber que tenho amigos e que cheguei aos meus 46 vivo para contar essa historia.

Se alguém puder colaborar com a jovem e pobre viúva, entrem em contato comigo via e-mail para doar um saco de fraldas e repliquem o pedido em suas redes.

Se alguém não puder e não quiser, também compreendo pois sei que ninguém tem nada a ver com isso e desde já peço que não se sintam na obrigação e nem me queiram mal por pedir em nome de pessoas que foram assaltadas por tamanha tragédia.

Abraço.

Atenciosamente,

Cláudio Deiró

deirocidio@yahoo.com.br

Anúncios

5 Respostas to “O dia em que a tragédia voltou em dose dupla”

  1. Mauricio Guimarães Says:

    Seo Franciel,
    Fiquei comovido com a historia triste do rapaz. Vou publica-la tb!

    • Franciel Says:

      Maurício, é uma saga impressionantemente trágica e triste.

      E, como disse um amigo, o que pudermos fazer de bom (por pouco que seja) para mostrar à esta mãe que tem gente que se importa, talvez ajude ela a seguir em frente.

  2. Duilio Camardelli Says:

    Franciel,Claudio, bom dia!
    Pode contar comigo. E que Deus dê sabedoria, paciência e conforto a viuva para criar seu filho.
    Abraços

  3. Colonnezi Says:

    Conte comigo também. Não tenho nem palavras.

  4. Anrafel Says:

    Conceder espaço para um amigo (ou não) extravasar tamanha dor só engrandece o blog.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: