Mais uma esquina: apatia ou esperança

TEXTO DE AUTORIA DE DANIEL CARIBÉ

Confesso que estou completamente anestesiado, indiferente, sou um ser apático. Não vibro com o gol, não me abalo com as derrotas. Poderia assistir aos jogos em um fino restaurante ao som de uma boa música para burguês jantar, que ninguém ousaria dizer que naquela mesa ao lado se encontra alguém que antes era um insano torcedor. Até a alegria dos outros resistentes torcedores anda a me incomodar. “Por que eles ainda fazem isto?”.

Após o jogo contra o CAP resolvi seguir por este caminho e estou conseguindo com relativo sucesso e muito antes do que esperava, até porque não imaginava que o time cooperasse com tanto afinco. Sim, eles – mas não só – estão se empenhando em nos sacanear. Se o Vitória não subir, não sei qual será a minha reação, nem por qual sentimento serei tomado. Provavelmente dê dois palavrões, ambos direcionados a Alexi Portela, e siga meu caminho de volta para casa como um bom cidadão que o Vitória acaba de me transformar. Única certeza que tenho é a de que não sairei radiante do Barradão se a nossa provável ascensão se confirmar. Talvez até tome uma, igual ao trabalhador que sou e que faz o mesmo nos primeiros dias do mês, num ato mais simbólico do que qualquer outra coisa, para logo em seguida recomeçar outra vez. Nada além disto me permito, consigo e desejo. Nem o hino no rádio, nem abraços de alegria, nem mensagens para torcedores de outras cores avisando que voltamos. Na verdade, quanto mais discreto for este momento, melhor.

A diretoria do Vitória e o atual elenco de jogadores conseguiram abalar uma paixão de uma vida inteira, colocou-me com os pés no chão e me exigiu coerência antes de voltar a ser aquele torcedor que enfrentava qualquer monstro – ou o engarrafamento de Salvador, o que dá no mesmo – para chegar nem sempre a tempo ao Barradão. Quando caímos para a terceira divisão, a relação da torcida com o time mudou completamente e isto foi fundamental para ressignificar não só a minha, mas a relação de muitos outros com o Vitória. Isto foi necessário para nos manter fiéis ao concreto e ao tosco futebol. Foi aí que torcida do Vitória cresceu, se tornou ainda mais apaixonada e, infelizmente, menos exigente. Foi este o pacto feito: devolvam-nos a dignidade e nós continuaremos com os olhos fechados. Naquele momento fomos movidos pela mística de ser torcedor, pelo dever de “não jogar a toalha”. E uma torcida de que tinha a fama de ser crítica e exigente mudou de postura rapidamente. Mas a dignidade não se chama “primeira divisão” e nem poderia ser obtida deste pacto…

Aos poucos estamos abrindo os olhos. O pacto com esta diretoria acabou. Hoje, prestes a voltar à primeira divisão, estamos com o orgulho rubro-negro ainda mais abalado do que quando jogávamos nos campos mais sombrios deste país. Já há um movimento que luta pela democratização do clube, é verdade, mas ainda sem força para impulsionar esta mudança porque boa parte da torcida ainda acredita neste modelo de futebol. Só que a história do Vitória se encontra em mais uma esquina que se não soubermos virar pro lado certo, toda uma saga de resistências, de reapaixonamentos, será abandonada. A minha decisão é esta: ou eu participo ativamente da vida do clube ou pelo menos faço parte de algo que exija isto. Se espectador, consumidor e idiota é que não dá mais.

Queria mesmo ser o único apático, indiferente. Mas não sou e há muitos outros que estão na mesma. Pior: há muitos outros que poderiam estar se apaixonados por estas cores junto conosco e não farão mais isto. Por isso é hora de deixar a paixão um pouco de lado e atuarmos mais do que torcer. Vou ao Barradão no sábado somente para nutrir o único sentimento que me resta: o da esperança que a torcida do Vitória se atreva a exigir algum tipo de democracia no clube, que é a única forma que temos de tirar este resquício de aristocracia que faz do Vitória estágio para os seus filhos menos dotados. De resto, serei só razão.

Nosso primeiro título nacional ainda não virá. Não nego a importância do que agora deixamos escapar mais uma vez, nem que seria o momento mais fantástico da recente história do Barradão. Só que não seríamos o primeiro a ganhar um, nem seremos o último quando este dia chegar. Mas podemos ser o primeiro clube democrático deste país, onde a torcida define os rumos do seu clube.

Anúncios

20 Respostas to “Mais uma esquina: apatia ou esperança”

  1. Danilo Alfredo Brandão de Magalhjães Says:

    Falou exatamente o que eu penso cara. Iria e iriei fazer o mesmo que vc, nao vou comemorar, posso ate beber, na roda de amigos gritar pelo vitoria, mas no intimo vou estar eh mais com vergonhar. Nao do clube, a paixao eh enorme, mas dessa diretoria e desses mercenarios

  2. Dalmo Carrera Says:

    Mexer com BLOG e me aperceber um pouco mais a fundo com os sentimentos dos torcedores, revelou algo que desconhecia: sou um jumento, um sujeito insensível e incapaz do entendimento amplos do ser humano, ou em última analise, simplista e sem qualquer ambição, daquelas consideradas como positivas, afinal, até agora e ainda que me esforce não consigo entender onde reside a decepção do torcedor de Vitória, após atingir o acesso, em um campeonato, onde a meta é o ACESSO.

    Talvez não conheça a história do torcedor do Vitória, talvez seja pobre de espírito, desassociado da grandeza efêmera como meta de vida, ou sei lá o que. Ainda bem que o futebol e seus rompantes que não servem para ser referencia de absoluta nada, MAS se fosse, seguramente teria que repensar completamente todos os anos passados, e nem me rotular como humilhe, seria minha salvação para os anos futuros.

    O time cai. Comoção geral. Uma tristeza incomum. O Vitória sobe, uma tristeza sem igual em um sentimento único e jamais visto em situação igual ou semelhante em anos anteriores e com clubes distintos em qualquer parte do planeta.

    Sentimento que invalida e quase torna nulo o feito principal, obtido na segunda tentativa como fazem os grandes clubes para dá vazão ao suposto título que ninguém quer quem teve quer esquecer, e quem foi campeão morrerá de vergonha se um dia tiver o desprazer de ser bicampeão.

    Sem alternativa e na incapacidade de entender, só me resta a pensar que o torcedor na verdade não torce pelo time e sim torce para si próprio e o time é mera ferramenta para ajustar um pouco aqui ou ali o tamanho do seu ego.

    • Galvao Rubro-Negro Says:

      O Vitória subiu ? Pq ? O São caetano perdeu pontos ???

    • moisessales Says:

      dalmo, permita-me uma singela explicação às suas dúvidas, aproveitando também para comungar com o pensamento de daniel caribé:

      a questão não é alcançar a “meta”, mas em que circunstâncias isto se dá. e, em dadas circunstâncias (ou em como isto se dá), é melhor permanecer onde está para que conceitos sejam revistos do que avançar sem os devidos alicerces. até porque, subir caindo pelas tabelas é prenúncio de vergonha certa na série A.

      ou desejamos mesmo que o time suba para ficar disputando a beirada da zona de rebaixamento como um certo conterrâneo faz há duas edições do brasileirão? queremos mesmo subir para virar piada ou saco de pancada no nacional??

      penso que é nisto que reside a tristeza minha, de daniel e de inúmeros outros torcedores. sei que a idéia de torcida quase que exprime irracionalidade, mas se há algo que nos distingue como torcedores rubro-negros é que somos inexoravelmente seres (ou torcedores) racionais.

      e, como tal, é compreensível que não aceitemos a mediocridade pura e simplesmente para “bater meta”. queremos, merecemos e podemos muito mais que isto. mas não com esse time nem com o modelo de gestão do Vitória.

      portanto, me associo à indiferença quanto ao resultado deste certame.

  3. jbassu Says:

    Bem vindo ao clube dos “esgotados emocionalmente” Daniel.
    Nao eh uma questao de “jogar a toalha” e muito menos uma questao de ser menos ou mais torcedor.
    No meu caso foi uma questao de cansaco emocional, ao qual eu sou o unico culpadao, pois deveria dosar essas emocoes sendo mais racional.
    Sei que havera aqueles que dirao deveriamos separar o clube ECV dos jogadores e diretores. Que o nosso comprometimento deveria ser apenas com ECV.
    Mas eles FAZEM parte do clube. Eles REPRESENTAM o clube. E ai, como separar???
    Verei o acesso, caso ele venha, com total indiferenca, pois como disse antes, quando se trata de ECV minha fonte de emocoes secou.
    Um abraco

  4. Luiz Barros Says:

    Senhores, só tenho que dizer que desistir, cansei, são 50 anos, chega.

  5. Etiene Falcão Says:

    Franciel, que todos repitam as palavras abaixo como uma mantra, para que definitivamente faça parte da consciência do torcedor do Vitória e que assim mudemos nossa atitude:
    “esperança que a torcida do Vitória se atreva a exigir algum tipo de democracia no clube, que é a única forma que temos de tirar este resquício de aristocracia que faz do Vitória estágio para os seus filhos menos dotados”
    De novo:
    “esperança que a torcida do Vitória se atreva a exigir algum tipo de democracia no clube, que é a única forma que temos de tirar este resquício de aristocracia que faz do Vitória estágio para os seus filhos menos dotados”
    Mais uma vez:
    “esperança que a torcida do Vitória se atreva a exigir algum tipo de democracia no clube, que é a única forma que temos de tirar este resquício de aristocracia que faz do Vitória estágio para os seus filhos menos dotados”

  6. Canijah de Moreré Says:

    Meu caro Caribé, isso passará após o apito final. Com um memorável zero a zero.

  7. Fabrício Says:

    Infelizmente você está corretíssimo, vê um time completamente apático em campo, sem garra e vontade de ganhar, uma diretoria incompetente e sem comormisso com títulos, só nos faz desanimar cada vez mais com o clube. O título não era apenas uma consequência, mas uma obrigação, se não temos competência para conquistar um título da segunda divisão com times medianos, imagine quando tivermos na primeira ( isso se conquistarmos a classificação), será uma vergonha. Chega de Alex e sua diretoria, queremos dirigentes comprometidos com conquistas, com títulos importantes, não queremos apenas disputar a elite para sofrer, para não cair. EU NÃO AGUENTO MAIS! CHEGA!

  8. J Mocota Says:

    Bom…

    Mocota tem a declarar que não concorda com essa campanha politica quem vem sendo feita em hora inoportuna.

    Infelizmente os cabos eleitorais estão desesperados com o possível acesso do Vitória.

    Nenhum dos cabos eleitorais são cegos.

    Sabem que o pagamento está em dia, a campanha do sangue foi um sucesso mundial, a divisão de base está em 7º lugar no ranking nacional e o Vitória, clube não-riquinho, tem apenas os não-riquinhos Atlético-PR e o Coritiba a frente no ranking.

    Isso aconteceu por acaso?

    Foi algum software que organizou tudo?

    O Vitória vai entrar com um dos favorito ao titulo do Nordestão/2013 a toa?

    Não!!!

    Isso tudo ocorre por que Paulo Carneiro começou uma nova era no Vitória e depois Alexi Portela assumiu e reestruturou o clube.

    Desde do inicio da era PC até os dias atuais, com Alexi Portela, entenda Daniel, que quem colocou o Vitória na esquina do “quase chega lá”, são aqueles torcedores que vê mérito em todos os outros times, menos no Vitória.

    Na era PC quando o Vitória estava para ganhar algo relevante, a nível nacional, ele mesmo tumultuava, querendo aparecer mais o que devia.

    Já na era de Alexi, o “tsunami” vem destruindo tudo nas ondas das redes sociais.

    Infelizmente, aqueles que vaiaram Bebeto recebendo medalha de campeão, serão os mesmos que vairão o acesso para elite do futebol Brasileiro em 2012. Ou seja, os corneteiros.

    Uma pena saber que quando Franciel ou Larissa assumir o clube daqui alguns anos, os mesmos vaiadores estarão lá, firmes e fortes para cuspir fogo e atrapalhar o Vitória mais uma vez na busca de grandes conquistas.

    ———————– / / ——————————

    Feliz o clube que tem mais torcida que cabo eleitoral.

    Avante Leão!!!

    • Galvao Rubro-Negro Says:

      Jota, acho que esse time e essa diretoria não merecem nem vai apenas o silencio e o desprezo de nós torcedores.

      • J Mocota Says:

        Irmão Rubro-Negro Galvão!!!

        Mocota esta decepcionado com essa campanha. Mocota esperava o titulo.

        Tem que ser feito um estudo urgente para saber o que acontece quando o Vitória faz um primeiro turno fantástico, no segundo cai de rendimento.

        É preciso entender que mesmo chegando sem chances da conquista do título, o acesso tem que ser comemorado, sim.

        Na serie A o Vitória ganha mais receitas e visibilidade.

        Na serie A enfrentando os Neymar da vida o Vitória atrai novos torcedores.

        Na serie A pela dificuldade ser maior a Nação Rubro-Negra tem que estar mais unida.

        É preciso um voto de confiança e uma abertura para que a atual direção do Vitória e o MSMV possam sentar mensalmente e juntos discutir novos caminhos.

        Trocar ideias para o crescimento da instituição.

        Fomentar novos projetos.

        O alto escalão Rubro-Negro precisa urgentemente de um toque feminino, que resolva conflitos, procure consensos e tome decisões mais rápidas.

        Quem sabe Larissa Dantas?

        Temos que fazer com que o futebol deixe de ser resumido apenas a vitória, empate ou derrota.

        O esporte tem que desempenhar o seu papel social melhorando a qualidade de vida das pessoas.

        É preciso desenvolver o espirito vencedor nos corações Rubro-Negro.

        Que a confirmação do acesso na Serie A não seja marcado por gritos de protestos e sim comemorado o inicio de uma nova forma de viver o Vitória.

        ———————— / / —————–

        “Não me pegue. Não me toque. Por favor não me provoque. Mocota vai comemorar a Serie A.”

        Avante Leão!!!

  9. edgar tolentino rodrigues Says:

    esse blog do vicetoria, parece mais um circo de horrores, exmplo temos aos montes CANJOCA MOCOTA etc. isso e um blog ou uma turma de humoristas de feiera? so oo blog ja diz tudo VIXETORIA. nao entendo como os torcedores do baiaço encontram tanta criatividade para sacanear o vixetoria,

  10. Juvenal Says:

    Antes o clube fosse uma aristocracia mesmo, pelo menos aí poderia haver oposição e/ou alternância de poder entre os ditos ‘melhores’.

    O nome disso que nosso clube sofre é PLUTOCRACIA: se você não é abastado, caia fora.

  11. carlos leão Says:

    Prezado Marcos,

    Recife não é a oitava maravilha do mundo.

    É uma porcaria e, mesmo assim, muito melhor que Salvador.

    Qto. a violência, acho que você deveria se informar melhor.

    Qto. as favelas, é só dá uma olhada no pib (renda per capita) de cada cidade.

    É só consultar o ibge cidades.

    Meu vitorinha nunca irá para frente. Estamos na bahia.

    Se você acha que um dia o bahia vai se organizar é realmente um completo lunático.

    Será que Zé Roberto, se contratado pelo baêa e entrevistado por varela, se sentiria motivado a treinar no poderoso ct do esquadrão ?????

    Tenho certeza que na Toca o cara se sentiria aposentado.

    Dá uma olhada nas fotos da Boa Viagem e dá uma passadinha no Farol da Barra.

    Se compararmos com Porto Alegre, Coritiba ou mesmo Goiania e Belo Horizonte veremos que nossa capital é medonha sob todos os aspectos.

    • cris Says:

      caro carlos leão.
      conheço recife e concordo quando vc diz q é uma porcaria.
      Quanto a salvador, esta sim é uma porcaria tb,porém isso não quer dizer q vá continuar uma porcaria , vide a péssima administração JH q deixou a cidade abandonada… nada q um pouquinho mais de cuidado não coloque recife no chinelo…querer comprar as belezas naturais imensas, vastas e variadas(embora muito descuidadas atualmente) de salvador com recife é piada, assim como todo pernambucano q nutre uma psicopatia doentia (“tremenda dor de cotovelo”) das terras, da riqueza cultural e das praias baianas e tenta a todo custo inferiorizar e menosprezar a Bahia.
      Na verdade o tamanho de vcs no mapa reflete a pequenez da sua realidade…uma pequena tripa.

  12. Marcio Melo (@marciosmelo) Says:

    Meus sentimentos, ou melhor, a ausência deles é a mesma e foi justamente depois do jogo do CAP que fiquei assim.

    Ficarei apenas aliviado com o acesso, comemorar o quê? Perder esse título ganho foi triste demais.

  13. carlos leão Says:

    Prezada Cris,

    Eu não sou pernambucano não.

    Sei que os pernambucanos tem mania de grandeza.

    Só queria esclarecer que sou baiano, morei 13 anos em salvador, meus pais e familiares moram em salvador e conheço quase todo o interior do nosso Estado porque á morei em diversos municípios do Estado da Bahia (na chapada diamantina/ no sul/ no extremo sul, no oeste e no sudoeste).

    Não tenho a menor dúvida que o Estado da Bahia é melhor, e muito, do que o Estado de Pernambucano.

    Com exceção da região metropolitana e de Petrolina, Pernambuco é um fracasso.

    Não tenho dúvida que JH foi uma merda, mas ninguém conseguirá melhorar essa cidade não.

    Salvador é uma cidade deplorável.

    Hoje, só viajo para Salvador a trabalho ou para ver familiares (e não recomendo para ninguém).

    E qto. a cultura, vamos ver qtos anos a FN ficará preservada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: