Archive for novembro \28\UTC 2012

Transferência sem transparência

novembro 28, 2012

O Movimento Somos Mais Vitória (MSMV) vem a público repudiar a decisão da diretoria do Esporte Clube Vitória (ECV) de iniciar o processo de transferência do mando de campo do time rubro-negro para a Arena Fonte Nova, nos jogos de futebol profissional. Entendemos que uma decisão de tamanha magnitude, de uma importância histórica, que pode mudar significativamente o futuro do Clube e, principalmente, a vida do seu torcedor – que não podemos esquecer que é a maior razão de ser do Clube – não cabe somente ao Conselho Diretor. Uma decisão deste porte tem que ser discutida amplamente em uma Assembléia Geral, onde poderia contar com a presença ativa do Conselho Deliberativo e dos Sócios, representantes da torcida e principais interessados e atingidos neste processo.

Ao divulgar a realização de, no mínimo, quatro jogos do ECV no novo espaço em 2013, para efeito de “experiência”, a diretoria deixa claro que já fez a sua escolha e que esse expediente é apenas uma manobra com vistas a legitimar o processo de mudança. Ademais, chega a ser uma covardia, tentar estabelecer qualquer comparação entre o conforto oferecido e a facilidade de acesso do novo equipamento, em relação ao Estádio Manoel Barradas.

Além disso, não são apenas estes itens que estão em jogo: trata-se de uma decisão que diz respeito à história do Clube e que implicará diretamente no seu futuro. São muitas questões que precisam ser discutidas, tais como as novas condições e custos para o plano de fidelização do programa Sou Mais Vitória, a neutralidade do mando de campo, as vantagens e desvantagens econômicas que a parceria com o consórcio que administra a Arena apresenta, a identidade do Estádio Manoel Barradas com o Clube e com a torcida, etc.

Por tudo isso, o MSMV entende que qualquer decisão relativa à mudança ou não para a Arena Fonte Nova não cabe apenas ao presidente do Conselho Diretor, pelo menos, se ainda houver algum vestígio de democracia, profissionalismo, transparência e respeito ao torcedor, na atual gestão do clube. Ao mesmo tempo, o Movimento convoca o torcedor rubro-negro a se manifestar e a cobrar do Conselho Deliberativo uma posição mais firme em relação à questão.

MOVIMENTO SOMOS MAIS VITÓRIA
É hora do torcedor fazer história.

PARABÉNS, TORCEDORES RUBRO-NEGROS…

novembro 25, 2012

…Vocês, só vocês, merecem esta conquista.

Hoje é dia de APOIAR o time e PROTESTAR contra a incompetência

novembro 24, 2012

Este sábado será um dia para a Nação Rubro-Negra fazer HISTÓRIA.

Você, Torcedor do Esporte Clube Vitória, está convidado para APOIAR o time durante os 90 minutos, para que possamos retornar ao nosso lugar de direito, qual seja, a Séria A do Brasileirão.
No entanto, antes da bola rolar temos o compromisso cívico de manifestar e demonstrar nossa insatisfação em relação ao descaso com que a diretoria tem tratado nosssa paixão pelo Rubro-Negro.
E, para impedir que o descaso se perpetue, todos estão convocados para a GRANDE PANFLETAGEM que ocorrerá, a partir das 14h, em frente ao Santuário. .
Esta é uma ação aberta a todos aqueles que quiserem participar. Para tanto, basta procurar o pessoal do MSMV em frente à loja da Penalty. ,
Procure-nos! Participe de mais esta ação promovida pelo MSMV em prol do fortalecimento do E.C.Vitória. Colabore para que o nosso Leão se transforme num Clube mais democrático, transparente, profissional e que respeite o seu torcedor!
MOVIMENTO SOMOS MAIS VITORIA
P.S Foram confeccionados CINCO MIL panfletos que serão distribuídos de modo solidário.
Até agora, mais de um time de futebol já se prontificou a participar do evento. No entanto, como sabemos, só ganha o jogo quem tem um bom elenco. Portanto, aliste-se você também nesta boa causa em prol do futuro do Leão

MSMV convoca torcedores para grande panfletagem amanhã no Barradão

novembro 23, 2012

O MOVIMENTO SOMOS MAIS VITÓRIA (MSMV) convida todos os Torcedores do Esporte Clube Vitória para, no próximo sábado, dia 24, apoiarem o time durante os 90 minutos, para que possamos retornar ao nosso lugar de direito, qual seja, a Séria A do Brasileirão.

E no embalo desta vibração estaremos realizando, na mesma data, às 14:00 horas, do lado de fora de nosso Santuário, uma PANFLETAGEM SOLIDÁRIA, convocando a torcida a omemorar o acesso com aqueles que realmente amam o Clube: os Torcedores Rubro-Negros.Esta é uma ação aberta a todos aqueles que quiserem participar. Para tanto, basta procurar o pessoal do MSMV em frente à loja da Penalty, do lado de fora do nosso Santuário.Procure-nos! Participe de mais esta ação promovida pelo MSMV em prol do fortalecimento do E.C.Vitória. Colabore para que o nosso Leão se transforme num Clube mais democrático, transparente, profissional e que respeite o seu torcedor!

MIDAS PELO AVESSO

novembro 23, 2012

Autor: Duilio Camardelli
Rei Midas, personagem da Mitologia Grega Clássica, desejava adquirir o dom da riqueza infinita. A história, apesar da sua aparente simplicidade, é uma reflexão sobre a tão humana avareza e seus controversos desdobramentos.

Na cultura ocidental, ainda que não se conheça a narrativa mitológica, sabe-se que “o toque de Midas” – alusão ao poder que o rei tinha em transformar tudo o que tocava em ouro – é sinônimo de talento e competência para a multiplicação de bens materiais. Quem faz crescer todo capital que gerencia é sempre lembrado como o “Midas” da área de sua atuação.

No momento atual do Vitória tem um Midas pelo avesso. Ou seja, ao tentar criar um crescimento da Instituição, deprecia-o totalmente. É uma alquimia toda atrapalhada.

Porém, meus amigos e torcedores do ECV, será que devemos esperar acontecer o pior, para depois agir?
Lamentavelmente, o que está ocorrendo com essa nossa instituição secular é extremamente preocupante. Por isso, temos o dever de aprofundar os nossos questionamentos mesmo que não seja interessante para outros. É importante lembrar que estamos vivenciando uma das maiores crises de identificação com uma entidade que se propõe a dar alegria, não o ópio, para milhões de apaixonados torcedores.

A involução do ECV é gritante, desmandos, falta de profissionalismo, desrespeito aos torcedores e outros problemas que vão surgindo sem a competência para resolver. Impossível trabalhar, sem ter PLANEJAMENTO, METAS E OBJETIVOS.

No mundo moderno, com a evolução da tecnologia e de conhecimentos através da globalização, é inaceitável essa situação. Não vou crucificar ninguém, não é o meu papel, mas a verdade tem que prevalecer sempre, independentemente de quem esteja comandando.
Portanto, conclamo os torcedores do ECV a realizarem uma analise fria, mas realista dos fatos que vêm ocorrendo com nosso Clube. Não podemos deixar para depois, pois se fizermos isso, estaremos contribuindo para o declínio desta Instituição.

As pessoas passarão, mas a entidade permanece. Vamos começar a dar a resposta já nesta sábado. Vamos vibrar e incentivar o time nos 90 minutos, mas logo em seguida deveremos sair do Estádio, para não legitimarmos este descalabro que aí está.

Diga SIM ao acesso do Esporte Clube Vitória e NÃO à incompetência da diretoria

novembro 22, 2012

MSMV convoca a torcida para dar o troco

novembro 21, 2012

 

A nação rubro-negra ficou estupefata nos últimos meses ao ver o que era uma provável conquista de título da Série B se transformar em desespero na luta pelo acesso à primeira divisão. Chegamos na última rodada completamente desconfiados de que o time é capaz de vencer ou sequer empatar com o já desinteressado Ceará. Muito se ventilou sobre os motivos de tão brusca queda de produção. E informações desencontradas vindo de todas as partes acabaram por contribuir para degradar o ambiente rubro-negro.

Apenas uma coisa ficou muito clara em todo esse episódio lamentável da nossa história: a incompetência da atual diretoria do clube para gerenciar crises. Nos sinais iniciais do problema, o presidente Alexi Portela Júnior preferiu ir para sua rádio parceira insinuar que tudo não passava de uma ação de elementos externos com a pretensão de tumultuar o time. Em vez disso, deveria ter ele detectado e eliminado imediatamente o(s) foco(s) da questão.

Ao deixar a desordem tomar corpo, o presidente Alexi Portela abriu mão do título nacional mais palpável que o clube já teve em sua história. Esse insucesso soma-se a outros em sua trajetória na direção do clube, como perdas de campeonatos baianos para times do interior (em 2006 e 2011, para Colo-Colo e Bahia de Feira, respectivamente) e para o rival local, que há 10 anos não ganhava nada; queda para a Série B em 2010 e permanência na segunda divisão em 2011, em um campeonato de nível fraco.

Em questões administrativas, é grande a lista de equívocos da diretoria, como a aquisição de um placar eletrônico defeituoso que envergonhava o torcedor no estádio Manoel Barradas; tolerância diante do reincidente desrespeito com a marca do Esporte Clube Vitória por parte da empresa fornecedora do material esportivo; abandono do plano de fidelidade do torcedor, o “Sou Mais Vitória”; intensa troca no cargo de diretor de futebol, impossibilitando a continuidade de projetos; implantação da política “Pés no chão”, que apostava no ruim e barato, em detrimento da qualidade com retorno para o clube etc.

Mesmo nas conquistas dentro de campo, o presidente deixou a sua marca. Na subida da Série C para a Série B, fomos goleados por 6×0 no último jogo, quando ainda brigávamos pelo título. Mesmo quando tínhamos uma equipe comprovadamente superior, acabamos ganhando os títulos de 2008, 2009 e 2010 do Campeonato Baiano no sufoco. Também é marca do presidente escolher um bode expiatório para jogar a culpa pelos maus resultados dentro e fora do campo.

Mas, quem de fato tem responsabilidade pelos fracassos de Alexi Portela Júnior é o Conselho Deliberativo, cujos integrantes mais influentes nada mais fazem que dizer “amém” às ações do presidente. Diante de mais um quadro de desonra na história do clube, o Movimento Somos Mais Vitória – que luta por democracia, profissionalismo, transparência e respeito ao torcedor rubro-negro – defende a renovação do Conselho Deliberativo, para que o Esporte Clube Vitória volte a sonhar com tempos melhores.

Já para o torcedor rubro-negro, lhe cabe, nesse momento, apoiar o time para que o acesso à Série A seja garantido. É importante para o futuro do clube que estejamos sempre na primeira divisão do futebol brasileiro.

Os que são associados ao “Sou Mais Vitória”, e que tem mais de 18 meses de associação, devem renovar o plano para ter direito a voto nas próximas eleições que escolherá a formação do Conselho Deliberativo (a renovação deverá acontecer antes da data de vencimento do plano, caso não seja renovada a associação até a data de vencimento o associado perde o direito a votar e ser votado).

Chegou a hora de construirmos a mudança para transformar o Vitória num Clube forte, democrático,  transparente e que respeite o torcedor.

Mais uma esquina: apatia ou esperança

novembro 20, 2012

TEXTO DE AUTORIA DE DANIEL CARIBÉ

Confesso que estou completamente anestesiado, indiferente, sou um ser apático. Não vibro com o gol, não me abalo com as derrotas. Poderia assistir aos jogos em um fino restaurante ao som de uma boa música para burguês jantar, que ninguém ousaria dizer que naquela mesa ao lado se encontra alguém que antes era um insano torcedor. Até a alegria dos outros resistentes torcedores anda a me incomodar. “Por que eles ainda fazem isto?”.

Após o jogo contra o CAP resolvi seguir por este caminho e estou conseguindo com relativo sucesso e muito antes do que esperava, até porque não imaginava que o time cooperasse com tanto afinco. Sim, eles – mas não só – estão se empenhando em nos sacanear. Se o Vitória não subir, não sei qual será a minha reação, nem por qual sentimento serei tomado. Provavelmente dê dois palavrões, ambos direcionados a Alexi Portela, e siga meu caminho de volta para casa como um bom cidadão que o Vitória acaba de me transformar. Única certeza que tenho é a de que não sairei radiante do Barradão se a nossa provável ascensão se confirmar. Talvez até tome uma, igual ao trabalhador que sou e que faz o mesmo nos primeiros dias do mês, num ato mais simbólico do que qualquer outra coisa, para logo em seguida recomeçar outra vez. Nada além disto me permito, consigo e desejo. Nem o hino no rádio, nem abraços de alegria, nem mensagens para torcedores de outras cores avisando que voltamos. Na verdade, quanto mais discreto for este momento, melhor.

A diretoria do Vitória e o atual elenco de jogadores conseguiram abalar uma paixão de uma vida inteira, colocou-me com os pés no chão e me exigiu coerência antes de voltar a ser aquele torcedor que enfrentava qualquer monstro – ou o engarrafamento de Salvador, o que dá no mesmo – para chegar nem sempre a tempo ao Barradão. Quando caímos para a terceira divisão, a relação da torcida com o time mudou completamente e isto foi fundamental para ressignificar não só a minha, mas a relação de muitos outros com o Vitória. Isto foi necessário para nos manter fiéis ao concreto e ao tosco futebol. Foi aí que torcida do Vitória cresceu, se tornou ainda mais apaixonada e, infelizmente, menos exigente. Foi este o pacto feito: devolvam-nos a dignidade e nós continuaremos com os olhos fechados. Naquele momento fomos movidos pela mística de ser torcedor, pelo dever de “não jogar a toalha”. E uma torcida de que tinha a fama de ser crítica e exigente mudou de postura rapidamente. Mas a dignidade não se chama “primeira divisão” e nem poderia ser obtida deste pacto…

Aos poucos estamos abrindo os olhos. O pacto com esta diretoria acabou. Hoje, prestes a voltar à primeira divisão, estamos com o orgulho rubro-negro ainda mais abalado do que quando jogávamos nos campos mais sombrios deste país. Já há um movimento que luta pela democratização do clube, é verdade, mas ainda sem força para impulsionar esta mudança porque boa parte da torcida ainda acredita neste modelo de futebol. Só que a história do Vitória se encontra em mais uma esquina que se não soubermos virar pro lado certo, toda uma saga de resistências, de reapaixonamentos, será abandonada. A minha decisão é esta: ou eu participo ativamente da vida do clube ou pelo menos faço parte de algo que exija isto. Se espectador, consumidor e idiota é que não dá mais.

Queria mesmo ser o único apático, indiferente. Mas não sou e há muitos outros que estão na mesma. Pior: há muitos outros que poderiam estar se apaixonados por estas cores junto conosco e não farão mais isto. Por isso é hora de deixar a paixão um pouco de lado e atuarmos mais do que torcer. Vou ao Barradão no sábado somente para nutrir o único sentimento que me resta: o da esperança que a torcida do Vitória se atreva a exigir algum tipo de democracia no clube, que é a única forma que temos de tirar este resquício de aristocracia que faz do Vitória estágio para os seus filhos menos dotados. De resto, serei só razão.

Nosso primeiro título nacional ainda não virá. Não nego a importância do que agora deixamos escapar mais uma vez, nem que seria o momento mais fantástico da recente história do Barradão. Só que não seríamos o primeiro a ganhar um, nem seremos o último quando este dia chegar. Mas podemos ser o primeiro clube democrático deste país, onde a torcida define os rumos do seu clube.

A HISTÓRIA DO MAIS UMA VEZ?

novembro 18, 2012

Autor: Duilio Camardelli
Será que alguém conhece esta história? Ou será mera coincidência?
Mais uma vez seremos omissos?
Mais uma vez seremos tripudiados?
Mais uma vez seremos submissos?
Mais uma vez seremos enganados?
Mais uma vez morreremos na beira da praia?
Mais uma vez seremos boi de piranha?
Mais uma vez seremos massa de manobra?
Mais uma vez teremos outra decepção?
Mais uma vez deixaremos para cobrar depois?
Mais uma vez seremos obrigados a dizer esta tudo bem?
Mais uma vez seremos desrespeitados dos nossos direitos?
Mais uma vez daremos atestados de incompetência?
Mais uma vez bateremos palmas pelos erros cometidos?
Mais uma vez seremos hipócritas?
Mais uma vez seremos testados de nossos sentimentos?
Mais uma vez ficaremos em segundo plano?
Mais uma vez vamos dizer amém?
Por isso torcedor do “MAIS UMA VEZ”, esta história será repetida, e ai sim, seremos o clube que mais uma vez quase chegamos.
Isto não é uma realidade, é apenas “mais uma vez”.
Há ia esquecendo, mais uma vez ………………………………
Façam uma reflexão do “MAIS UMA VEZ”

P.S Rabisquei umas prosopopeias sobre o menino Alex Alves aqui, ó 

http://impedimento.org/2012/11/16/demasiadamente-humano/

Vitória da prepotência

novembro 8, 2012

Por Teresa Ribeiro

Sei que todos estão felizes e otimistas com a vitória sobre o América Mineiro. Eu também estou muito feliz e, principalmente, aliviada, apesar de saber que o próximo jogo é que nos dirá se nossas expectativas se confirmarão, ou não.

A verdade, porém, é que ainda tenho dúvidas sobre se a exibição de terça à noite, é, como espero, o reencontro dos jogadores com a vontade de jogar futebol perdida em alguma ponto entre a 21ª e a 33ª rodadas.

Espero que o comportamento ‘birrento’ de alguns jogadores, especialmente o camisa 2, tenha sido, apenas isso: uma atitude infantil.
O jogador camisa 2, após os gols, dele e dos demais, fez questão de correr e abraçar o camisa 5, que estava no banco. Inclusive, chegou a tirar o camisa 10 da frente das câmeras para levá-lo para a comemoração particular. Tudo bem. Comemorar com um colega que perdeu um pênalti no jogo, dar uma força ao amigo, eu compreendo. Esta seria uma atitude, por mim, elogiada, se não fosse por um detalhe: em nenhum momento eles foram comemorar com a torcida. Mais que isso, parecia que não havia nenhum torcedor em campo. Talvez o fato de que estávamos – quase todos – com capa de chuva tenha dado a impressão de que éramos uma torcida de fantasmas.

Aliás, no jogo anterior, eles já haviam adotado este comportamento deprimente. Talvez os torcedores rubro-negros que foram assistir (e apoiar o time) no jogo em Bragança – e que foram solenemente ignorados pela maioria dos jogadores – tenham se tornado invisíveis, também. Mesmo levando-se em conta que foi a maior torcida do Vitória, fora da Bahia.

Quer dizer que não podemos achar ruim o fato do time ter jogado futebol com vontade por 19 rodadas e, de repente, ter esquecido como se dá um passe de meio metro?

Mas, qual a importância que a torcida tem, afinal? Um bando de ‘corneteiros que não amam o time’ só porque cometem o gravíssimo crime de criticá-lo.

Parece que a maioria se esquece que nós, quando compramos ingresso – no caso do SMV, para uma temporada inteira, sem saber se alcançaremos a glória ou iremos para o submundo; quando compramos produtos do Vitória; quando saímos às ruas com a marca do patrocinador estampada em nossas camisas, estamos trazendo receita para o clube.

Ou seja, nós ‘apenas’ pagamos para que o espetáculo aconteça.
O que os ‘meninos’ do Vitória precisam saber é que: Cada vitória rubro-negra é uma vitória nossa.

Não querem comemorar conosco? Não tem problema, o que não falta é um amigo rubro-negro, ao lado, para abraçar e ser abraçado.
Querem ‘ficar de mal’ com a torcida? Tudo bem, contanto que continuem a cumprir seu papel, com profissionalismo. É só o que exigimos. Afinal, quantos números 2, 4 e 5, já tivemos? Esses, de agora, irão para outros clubes, alguns encerrarão a carreira por aqui mesmo, outros nos esquecerão e, nós, também, a eles.

Portanto, jogadores rubro-negros, apesar de vocês nos ignorarem, continuaremos a ir ao estádio, continuaremos a torcer pelo Vitória, pular a cada gol que o Vitória marcar, arrancar metade dos cabelos a cada gol que o Vitória sofrer, chorar quando o Vitória, enfim, alcançar o acesso e, quem sabe, explodir de alegria se o Vitória conquistar o título.
Apesar de vocês, e da diretoria omissa que permite este tipo de atitude, nós torcedores continuamos RUBRO-NEGROS, pois todos vocês são apenas passageiros. Nossa paixão é eterna.