Traquinagens revolucionárias

A verdade, esta menina traquina que nem sempre salva e liberta, é uma só: para tentar compreender a dimensão da peleja entre América (RN) x Vitória, faz-se mister recorrer à história. Afinal, no último sábado, entraram em campo as duas únicas equipes de Pindorama que já lamberam o fundo do poço do Ludopédio, a terceirona, e voltaram dignamente à primeira divisão, sem o auxílio tenebroso dos tapetões persas.

Além disso, o brioso Leão está protagonizando um fato de extrema relevância para o processo de democratização do futebol brasileiro. Qual seja. Neste ano da graça de 2012, o time realiza a melhor campanha da era dos pontos corridos da Segundona, desbancando forças imperiais do Sul Maravilha.

Confiram comigo no replay os números em forma de exercício de fixação. Seguinte. Ao fim do primeiro turno, o Rubro-Negro baiano atingiu a marca de 44 pontos, feito jamais conseguido por nenhuma outra agremiação. Às comparações. O Atlético Mineiro, campeão de 2006, terminou este período com 29 pontos. No ano seguinte, o Coritiba fez 35. Já o todo poderoso Corinthians atingiu 39. O Vasco foi o que chegou mais próximo, fechando este primeiro ciclo com 40. A Portuguesa, último time a conquistar o Dilmão do B, conseguiu 38 pontos.

Assim, exatamente por ter a noção da importância da labuta contra o América, saquei do coldre minha fantasia de Jonh Reed do agreste e fui ser testemunha ocular da revolução em plena Goianinha (RN). É fato que, para chegar ao palco principal da contenda, era preciso enfrentar obstáculos que fariam esmorecer até mesmo o autor de Os 10 dias que abalaram o mundo.

Logo no aeroporto, uma prova de fogo de fazer tremer os mais convictos dos ateus, especialmente aqueles que não acreditam em vida após a morte. Do nada, apareceram o ex-governador Paulo Souto e os deputados José Carlos Araújo e Paulo Magalhães. Hora de se benzer e ir adiante. Porém, o cidadão nem se livra direito desta barreira, que assusta mais do que os ferozes militares do czar russo, e já é obrigado a enfrentar um voo comandado por um piloto com uma voz tão pastosa quanto à de Domingos Oliveira – se é que isto é possível.

PUTAQUEPARIU A ASSOMBRAÇÃO!!!

Porém, nem tudo é tragédia. Ao perceber a angústia na face de quem está atrasado para a batalha no front, um generoso taxista oferece uma viagem por módicos R$ 83 reais. Repetindo por extenso. Oitenta e três reais.

É graça uma porra desta?

Neste exato instante, lembrei-me da intentona comunista de 1935 que, conforme é de amplo conhecimento dos cultos frequentadores desta impoluta tribuna, foi um fiasco em quase todo o país – à exceção de Natal, onde os rebeldes instalaram um comitê revolucionário por uns bons e turbulentos quatro dias.

E o que o comunismo potiguar tem a ver com a exploração? Aspas para o estudante João Batista Galvão, que na época do levante chegou a ocupar o cargo de ministro da Viação: “Naquele tempo, todo mundo fez o diabo e depois botou a culpa em cima de nós. O povo topou a revolução por pura farra. Saquearam o depósito de material do 21º BC (Batalhão de Caçadores) e todos passaram a andar fantasiados de soldado. Minha primeira providência como ‘ministro’ foi decretar que o transporte público seria gratuito. O povo se esbaldou de andar de bonde sem pagar”.

Traduzindo: foi uma chibança dos 600 DEMÔNHOS!

Contudo, amigos de infortúnio, informo que esta longa digressão histórica, não foi em vão. Fi-la não só porque qui-la (chupa, Jânio Quadros!), mas para mostrar-lhes que aquela mistura de violência e impunidade tem consequência até os dias de hoje. Sim, só pode ter sido movido por esta fé que a zaga do Mecão desceu o sarrafo sem dó nem piedade contando com a aquiescência do homem de preto que, tal e qual o ministro revolucionário, deixou a madeira comer solta.

Ok, ok. É óbvio que este não foi o único motivo do tropeço do Rubro-Negro em Natal. O empate em 2 x 2 tem contribuição decisiva de um infiltrado agente mirim.

Seguinte foi este.

Quando estávamos brocando por 2 x 1, o traíra pequeno Dan Novaes pediu para tirar uma foto comigo e, por breves momentos, parei de orientar o time. Assim nasceu o gol de empate. Reparem na imagem que o sacaninha, já antevendo a disgrama, aponta o placar em cima de minha cabeça.

Mas, sem agonia. Hoje à noite, contra o Criciúma, não haverá distração. Nem mesmo se Scarlett Johansson  aparecer num shortinho estilo garota gerasamba largarei a labuta (Mentira!). Mas Scarlett não vai fazer isso comigo. Não hoje.

P.S Esta homilia vai dedicada a Nego Jampa, Elizeu e demais hereges que estiveram em Goianinha ajudando este rouco locutor a orientar o time.

Anúncios

4 Respostas to “Traquinagens revolucionárias”

  1. canijah de moreré Says:

    Fiz aposta em casa que era o xibungo do Francié que aparecera na tela. Disserem-me que era uma torcedora potiguar vestida com a camisa do Glorioso Rubro-negro. Agora tenho a prova que Dan nos deu.
    Valeu, Sônia Braga!

  2. Sandro Says:

    Sou fã.

  3. J Mocota Says:

    Grande texto!!!

    Plac, Plac, Plac…

    Ps – Um “caba” inteligente, legal, gente boa… desse e ainda fica de cheiro mole pro lado de Mocota.

    Eu, hein!!!

    Serás o Campeão.

    Avante Leão!!!

  4. eduardo da silva montebelo Says:

    tbm estive em Goianinha com a galera do vitarracha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: