Os covardes também têm o direito de vibrar e amar

Se os brasileiros se importassem com as coisas fundamentais da vida, não perderiam tempo discutindo com argentinos para saber quem tem a melhor literatura, o cinema mais bacana, a música mais vibrante, o mais eficiente sistema de saúde ou alguma outra bobagem deste tipo. A única disputa que realmente importa é saber quem fala os palavrões mais escabrosos. E, infelizmente, neste peleja perdemos de goleada.

Os filhos de Cristina Kirchner, do nada, como quem dá um bom dia, já se cumprimentam assim: “La concha de tu madre, hijo de la puta pelotudo de mierda. Chingo tu madre en el asno todas las noches”.

Já aqui em Pindorama, mesmo os considerados desbocados, como os baianos, somos praticamente monotemáticos. É porra, porra, porra do café da manhã até a hora de dormir. E isto fode qualquer crônica de respeito.

Agora mesmo estava tentando achar uns palavrões para falar sobre a façanha épica de Neto e do Vitória ontem à noite, mas veio apenas aquela cantiga quase pueril das torcidas organizadas.

PUTAQUEPARIU É O MAIOR ARTILHEIRO DO BRASIL: NETO.

(Por muito menos, e por um ídolo menor do que o Friedenreich lambuzado de dendê, eles fazem até camisa só pelo prazer dos palavrões.)

Já este pobre PQP acima é sem sal e sem verdade – até porque Neto não é somente o maior goleador do país. Sua façanha, que merecia xingamentos em 28 idiomas, é muito mais transcendental, pois, com os três gols de ontem à noite diante do ABC, ele se tornou um nome na História, o homem, o mito, que mais balançou as redes do Parque Socioambiental, Santuário Ecológico Manoel Barradas, o Monumental Barradão, superando o ex-reizinho da Toca do Leão, Ramon Menezes.

Traduzindo: o sacana agora é um filho da puta imortal, especialmente porque começou a compreender que sua marca pessoal não pode ser maior nem deve estar dissociada da glória do coletivo Rubro-Negro. “Esta marca não é minha e sim de todos os companheiros, do mais humilde funcionário ao presidente, das tias da cozinha. Cheguei a esta marca com ajuda dos meus companheiros”.

Portanto, a partir de agora, nada do que eu diga ou xingue estará à altura da façanha do maior artilheiro do Barradão.

Já morrendo de ciúme, a Moça do Shortinho Gerasamba, ainda com os olhos de ressaca a la Capitu, bota as mãos na cintura, dá um remeleixo – e pergunta impaciente: “Oxeeeenteeee (ela capricha no oxente) e onde é que entram os covardes do título da resenha, Sêo Françuel?”.

Como sei que mulher ciumenta transforma-se numa besta fera, respondo logo. A rigor, minha comadre, os covardes não entram. Eles saem. São, digamos assim, aquelas almas sensíveis que não suportam a dor e abandonam o estádio antes do apito final.

Pois muito bem.

A epopeia diante do ABC foi tanta e tamanha, coisa de botar Homero no chinelo, que redimiu até estas criaturas. Afinal, como bem definiu meu amigo André Dantas, os fujões são HIJOS DE LA PUTA como a gente. Às aspas. “Quem nunca fraquejou na sua fé que atire a primeira pedra. Eu mesmo perseverei não por fé, mas, por um paradoxal desalento. O desespero que moveu os que fugiram foi o mesmo que me manteve sentado. E os que saíram não merecem castigos, mas sim louvores, pois não ver, in loco, a Glória Rubro-Negra já foi penitência mais que suficiente”.

Para encerrar esta prosa, lembro aquele axioma que garante que a História não fala dos covardes. Não falava. Aqui, não somente falamos como deixamos eles falarem. E vibrarem. Ouçam as palavras e os gritos da Salvação.

Anúncios

16 Respostas to “Os covardes também têm o direito de vibrar e amar”

  1. Silas Says:

    Pois é, seu cronista, como costumava dizer o tímido poeta de Itabira: “Alguns, achando bárbaro o espetáculo / prefeririam (os delicados) morrer. / Chegou um tempo em que não adianta morrer. / Chegou um tempo que a vida é uma ordem.”
    A hora vem e agora é, em que os verdadeiros torcedores apoiarão o time em espírito e em verdade, como não diria um conhecido profeta da terra de seu Vampeta.

    E o pensamento do dia é o seguinte:

    “Neto Baiano não chuta bolas ao gol; ele dá Radukens com o pé.”

    Abraços,
    Silas Lopes.

  2. J Mocota Says:

    Franciel, antes de Mocota parabenizar a sua iniciativa vai parabenizar a coragem de Renan Diego que revelou:

    “Rapaz durante o caminho para casa num sei qual o sentimento que era mais forte, se era a alegria de ter classificado a próxima fase da Copa do Brasil, ou a vergonha de ter abandonado o Leão.”

    Que essa grandiosa atitude do Rubro-Negro Renan Diego inspire aqueles que seguem fielmente os criadores de apocalipses de plantão.

    Que a partir de hoje, a maioria dos torcedores Rubro-Negro INCENTIVE 90 minutos incondicionalmente.

    A reação no intervalo ou após o final da partida tem que ser de acordo com a exatidão dos números no placar.

    ——————————————-

    Mocota ao assistir Neto Baiano, hoje na TV, pedido a torcida do Vitória para “dar uma moralzinha” ao time nas finais, detectou um sinal claro que as cornetas ainda predominam no Barradão e interfere negativamente no emocional dos atletas.

    Até quando veremos isso no Barradão, hein Franciel?

    Até quando?

    Será que isso é invisível aos seus olhos como esta sendo o desempenho de Ricardo Silva nesses últimos 04 jogos?

    O senhor está esperando a primeira derrota de Ricardo Silva para emitir uma opinião?

    Você anda muito sabidinho, né seu Franciel?

    Não volte a ser aquele velho Franciel que não temia os Zé Ruelas, não… Fique aí.

    —————————————————-

    Antes que Mocota esqueça…

    Parabéns Franciel pelo texto!!!

    Plac, Plac, Plac…

    Avante Leão!!!

  3. Zedagalera Says:

    Adrenalina estabilizada e retornando às CNTPs,… digo, insisto e repito para todo mundo ver, ouvir e tomar suas providências…Deus ajude!!!

    PREEEEEEE-CIIIIIIIIIIIIi-SAAAAAA-MOOOOS de um CAMISA 10 e dois laterais. UR-GEEEEEEEEEN-TE!!!!

    ABRAM OSZÓOOOOOOOOOOOOOOOOOiii, Carajo!!!

    SRN, por um VITÓRIA mais forte.

  4. borba Says:

    Franciel, se alguém me filmasse após o gol de Neto, teríamos, pelo menos, mais 857 novos impuros verbetes, nobres e belos xingamentos para adicionar ao Pai dos Burros. Inventei todos os 857 ali, na hora, e não saíram do cérebro, mas provavelmente do capeta que adentrou (lá ele) meu corpo (lá ele novamente).

  5. Paulo Figueirêdo Says:

    “que mais balançou as redes do Parque Socioambiental, Santuário Ecológico Manoel Barradas, o Monumental Barradão, superando o ex-reizinho da Toca do Leão, Ramon .” RAPAZ AONDE FICA ESSE ESPAÇO ??? AQUILO LÁ TÁ MAIS PRÁ UMA POCILGA DO QUE PRA SANTUÁRIO ECOLÓGICO…
    ASSIM SEO FRANÇUEL, O SENHOR ESTÁ TENTANDO FORMAR UMA OPINIÃO EM CIMA DO QUE NÃO EXISTE. KKKKKKKKKKKKKKKKKK
    ALI TÁ TUDO CONTAMINADO COM OS RESÍDUOS DOS EFLUENTES SÓLIDOS E LÍQUIDOS DA GRANDE R M DE SALVADOR.
    PÁRA COM ISSO RAPÁ !!! PQP
    COM RELAÇÃO A COMPARAÇÃO DO NETO BOIOLA BAIANA COM O RAMON, VOCÊ TÁ QUERENDO COMPARAR O QUE? O RAMON ALÉM DE ARTILHEIRO, ERA UM SENHOR CRACK, ENQUANTO OS NÚMEROS DO MENCIONADO “ARTILHEIRO” DA ATUALIDADE DEVE-SE AO FATO DE QUE AS DEFESAS ADVERSÁRIAS SÃO UMA LÁSTIMA, LITERALMENTE, ALÉM DA COLEÇÃO DE PENALTES DUVIDOSOS INCLUÍDOS NESSE VULTUOSO NÚMERO QUE SE APRESENTA.
    ASSIM VOCÊ TÁ PRESTANDO UM GRANDE DESSERVIÇO AO TIME DA SUA PAIXÃO CLUBÍSITICA.
    AVALIE MELHOR ESSA SUA MATÉRIA E NÃO VENHA COM RESPOSTAS DE MALIBARES.
    SAUDAÇÕES TRICOLORES !!! BBMP

  6. Silas Says:

    Seu Zé, o camisa 10 é Arthur Maia, mas ele só vai ficar pronto no ano que vem. Até lá, vamo guentando o amadurecimento do menino, sob os olhos e passes atentos e cansados do nosso G-10. Por aqui, é sempre assim: Um Ramon decadente dando a vaga prum perseguido e injustiçado Elkesson. Mesma história com Dellon e Leandro Domingues, e agora com Geovanne e Maia, que vai crescer e crescer nesse ano da subida.

    Pra apimentar o jogo, ainda tem o seu Tartá, LF (?!) e um ou outro que inda deve aparecer.

    Quanto às laterais, se não vier alguém, a coisa complica.

    E sobre o presente, é hora de reeditar o Barradão em chamas contra o botinha, preles aprenderem quem é que bota fogo em quem, pelas bandas da Bahia.

    Abraços,
    Silas Lopes.

  7. Rizho Says:

    Que relato escroatmente emocionante, seu degenerado, descendente de uma meretriz! Sou Bahêa, mas está ridiculamente louvável o texto, principalmente as palavras derradeiras. Mas vão cair na próxima peleja, sem apelação! rsrs

  8. Etiene Falcão Says:

    Franciel, quando li o seu texto anterior eu ficava cá com os meus botões a pensar que foi justamente a revoada das almas sebosas o fator espiritual preponderante para que houvesse a épica virada.

    Ao ler o comentário do torcedor que expressou o seu sincero arrependimento por bater em retirada da batalha e as sábias palavras de André Dantas sobre o caso eu pude ver com outros olhos o ocorrido.

    Hoje vc traduz tudo, os covardes também tem o direito de vibrar e amar… perfeito.

    Perdão e lição. Para que, na próxima, a covardia fique em casa, e ao monumental barradão somente adentre a garra de lutar até o último suspiro.

    E que os seus textos se transformem em doutrina para o torcedor rubro negro, parabens!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: