A VIRADA É POSSÍVEL

Não sei se vocês se lembram (até porque torcedor é um bicho desmemoriado da disgrama), mas na última vez em que subi nesta intimorata tribuna, antes daquela insossa peleja contra o Ceará, saquei do coldre minha falsa erudição e citei um trecho de Gaia Ciência, do filósofo Friedrich Nietzsche. Aliás, recebam novamente na torácica.

E se um dia ou uma noite um demônio se esgueirasse em tua mais solitária solidão e te dissesse: ‘Esta vida, assim como tu vives agora e como a viveste, terás de vivê-la ainda uma vez e ainda inúmeras vezes: e não haverá nela nada de novo, cada dor e cada prazer e cada pensamento e suspiro e tudo o que há de indivisivelmente pequeno e de grande em tua vida há de te retornar, e tudo na mesma ordem e seqüência…”’.

Pois muito bem.

Repeti aqui esta teoria nietzscheana do Eterno Retorno não só para refrescar a memória dos esquecidos, nem pra encher linguiça, mas também, e principalmente, porque foi exatamente esta a sensação que bateu neste nostálgico locutor na labuta do último domingo entre Vitória x Atlético (MG).

Tanto no primeiro quanto no segundo jogo, repetiram-se as vastas emoções e os lances imperfeitos. Tínhamos a partida na mão, depois perdermos um jogador, aí ficamos não mais com o jogo, mas sim com as calças na mão, até que achamos um gol salvador que nos tirou a corda do pescoço. PUTAQUEPARIU A COINCIDÊNCIA!!!

No entanto, o que me traz de verdade a esta inolvidável tribuna é porque entendo que chegou a hora de sairmos do Eterno Retorno. Acho que nosso time pode dar um passo adiante, sem nenhum medo de assombrações, pois não existe bicho papão neste Sarneyzão/2010. Se é fato que também não possuímos uma equipe de ponta, também é fato que com o que temos não podemos ficar nesta pindaíba. E a participação do torcedor é fundamental. Nesta quinta-feira, contra o Avaí, é hora da torcida mostrar seu valor e fazer valer a força da única entidade sobrenatural deste campeonato: O nosso querido Barradão.

Esta mesma recomendação vale para o nosso clube. Por isso, vou repetir. Entendo que chegou a hora de sair do Eterno Retorno. Acho que NOSSO Clube pode dar um passo adiante, sem nenhum medo de assombrações. E a participação do torcedor será fundamental na construção deste novo tempo. E um dos caminhos está sendo construído aqui, ó

WWW.SOMOSMAISVITORIA.COM.BR

Anúncios

5 Respostas to “A VIRADA É POSSÍVEL”

  1. Rogério Silveira Says:

    França, é o seguinte: O Vitória, ao longo desses 20 anos que torço pro time, já me deixou o couro por demais curtido para eu ficar esperando algo de extraordinário nesse Brasileirão. Se vencermos hoje, e o “se” aqui é extremamente necessário já que o time surpreendentemente venceu a Galinha lá em Minas(é sempre assim um afago e depois uma bofetada), mas se vencermos hoje, acho que afastamos de vez o perigo de rebaixamento, apesar de ainda termos umas 14 rodadas pela frente. E pronto! Tá bom demais!! Sulamericana? É, talvez, mas eu fico me perguntando pra que. Pra dar outro vexame como o desse ano? Ou que tal o do ano passado? Perder de 4×1 pra uma merda de time do Uruguai! Quando aprendermos a jogar um torneio mata-mata com gol qualificado, aí eu volto a fazer questão de jogar uma Sulamericana. Até lá, para mim tanto faz. Se jogar, legal, se não jogar, não vai fazer muita diferença.

    Pra aprender a jogar um torneio assim e também para passar a ter aspirações mais ambiciosas no Brasileirão, precisamos de uma mudança de mentalidade que venha de cima. Entendo que precisamos de um presidente mais jovem, com no máximo seus 45 anos. É, jovenzinho assim. Esse cara que nasceu em 1965, provavelmente passou a torcer pelo Vitória com 7 anos, a ver o timaço de André, Mário Sérgio, Osny e C&A ganhar o Baiano de 72. Comeu o pão que o bicho ruim amassou no restante da década de 70 e 80, mas depois teve sua redenção. Mas o importante é que esse sujeito de no máximo seus 45 anos não passou a maior parte de sua vida de torcedor sofrendo. Ao contrário, viu nesse período o Vitória levar mais títulos que a carniça de Itinga. Esse cara não tem a auto-estima lá no chão, um complexo de inferioridade que controla suas ações e pensamentos. É disso que a gente precisa. Um cara que enxergue o Vitória grande, pense e faça dessa forma.

    Se tudo der certo no que temos discutido lá no “Somos Mais Vitória”, que pinte esse São Sebastião que vai nos levar a voos mais altos.

  2. LASSERRE Says:

    Mas seu França,
    O que significa o rapaz fazer um gol e largar a camisa do time no chão?
    É cada novidade da porra, viu? Mas eu quero é NOSSO time ganhando e subindo na tabela.
    Um abraço, SRN e Somos Mais Vitória.

  3. L.Ano Says:

    A Pontipreta – aquela miséra que entregou pro finado semana passada – sentiu o Dedinho também. O treinador estreou no Sancaiteno nesta sexta e brocou de virada ni Campinas.
    Esse bicho divia só jogar a estreia e se picar dos time.

  4. Nunseiquenzinho Says:

    Lasserre, vc reclama de tudo, vu?
    É o mesmo esquentadinho que arruma confusão em baba, sempre expulso dos campeonatos amadores. Tá precisando de uma maracujaroska.

  5. Anrafel Says:

    Nao vi esse negócio, não, mas um sujeito que faz um gol e joga a camisa do time no chão tem que ser expulso pelo juiz e punido pela, digamos, diretoria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: