O dia em que a ousadia e a sorte venceram o medo

Antes de fazer a tradicional e abalizada análise sobre a inolvidável peleja de ontem à noite no glorioso Parque Sócio Ambiental, Santuário Ecológico Manoel Barradas, o Monumental Barradão, vamos a um pouco de história que, assim como caldo de galinha, não faz mal a ninguém.

Seguinte é este.

No ano passado, conforme é de conhecimento de toda a Bahia e de 12,7% do semi-árido sergipano,  gastei MEU CASTIÇO LATIM defendendo a efetivação de Ricardo Silva no comando do Rubro-Negro. E levantei tal bandeira por dois motivos. Primeiro porque, no meu imodesto entendimento, já era a hora de acabarmos com o complexo de vira-latas, importando um monte de bunda de caruru de voz empolada, salário astronômico e que, no final, acabava enojando meu baba e deixava aqui a galinha pulando. 

Além disso, fiz a vitoriosa campanha em prol de RS por acreditar que o referido treinador, além de ser uma pessoa séria e íntegra, era um cara que conhecia o elenco e, principalmente, entendia do Ludopédio e não tinha receio de botar o time para jogar bola.

Pois bem. A direção do Vitória seguiu minha orientação e efetivou Ricardo Silva. Porém, cometeu um erro crasso: assinou a carteira do referido.

Pra quê, meu Deus? Aquele técnico que botava prá vê taúba lascá ni banda, transformou-se num burocrata com medo de perder o emprego.

PUTAQUE PARIU A COVARDIA!

Aliás, para quem entende de futebol, como é o caso deste  locutor (modéstia às favas), a pusilanimidade (recebam, hereges) do novo comandante já ficou clara logo no arriar das malas. Inclusive falei disso há cerca de dois meses, num texto intitulado Síndrome do Professor Pardal. O fato é que nas partidas subsequentes, a chibança só fez inflamar. O medo de Ricardo perder o emprego aumentou na mesma proporção que a quantidade de minhas pontes de safena. 

PUTAQUE PARIU A COVARDIA!

Mas, como diria Vicente Mateus, isto são águas passadas que não movem redemoinhos. Vamos falar de jangada, que é pau que bóia.

Pois muito bem.

Na noite de ontem, em vez de lutar apenas para preservar o emprego, Ricardo Silva armou o time para jogar bola.
Logo de saída, escanteou Bida, que há séculos não quer porra nenhuma com a hora do Brasil, e botou a meninada em campo. Além disso, ouviu a voz da razão e da galera e colocou o Cabeça Amarela no lugar de Shereque. Pronto. O time já estava quase no ponto. Porém, nas quatro linhas  ainda imperavam o nervosismo, algumas bragas e nada de gol até que…a sorte sorriu para Ricardo Silva.

Após ficar 30 minutos em campo sem produzir uma jogada sequer, Ramon Menezes protagonizou seu melhor lance da noite: contundiu-se e permitiu que nosso treinador finalmente pudesse fazer algo que já devia ter feito muito antes, caso tivesse culhão: Botar nosso reizinho para descansar.

E olha que o tal do Renato Ribeiro nem é este suco de mangaba todo. Joga apenas um futebol meeiro. Porém, tem um diferencial: pulmão. E olhe que o sacaninha, que tem uma cara de MACONHEIRO DA DISGRAMA,  está fora de forma, mas mesmo assim deu uma outra dinâmica ao Leão. 

Aliás, a partir da entrada do ex-botafoguense, Elkesson se soltou e conseguiu fazer sua melhor partida no Vitória.  E tome-lhe correr pra dentro dos alagoanos com gosto de querosene. Sem o peso de Ramon, até Viáfara assumiu o posto que lhe é de direito: cobrador oficial de faltas. Resultado. Além dos 4 x 0, a alegria voltou a reinar no Santuário e no Norte e Nordeste de Amaralina.

Aliás, ontem à noite, a população  do pacato bairro entoava, em uníssono, as seguintes palavras de ordem.

“Ricardo, meu filho, basta de três volantes. Chegou a hora da ousadia vencer o medo de perder o emprego.
UMBORA TRI-TÓ-RIA, CARAJO!”
 
P.S Hoje, não, que é dia de festa, mas amanhã falarei sobre o glorioso plano SMV, o Sofro Mais Vitória.

Anúncios

21 Respostas to “O dia em que a ousadia e a sorte venceram o medo”

  1. Michel Silva Says:

    Você anda numa preguiça da zorra. Por isso que Joel Neto pega no seu pé. hehehe

  2. carlos augusto de araujo Says:

    Franciel, sinceridade, acha que o Ramon acabou? Não seria êle bem mais produtivo jogando meio tempo? Cá prá nós, futebol ele tem muito, entretanto, como vc mesmo disse no seu comentário, falta-lhe pulmão, mas, não pode negar que é craque e, como tal, se bem aproveitado…

    • Franciel Says:

      Veja bem, meu velho.
      Não vou dar veredicto sobre ninguém. Muitos diziam que o viúvo Ronaldo Albertini estava acabado e no ano passado ele ainda fez umas graças.

      Nunca neguei que Ramon foi um bom jogador.

      Agora, eis o problema: temos mesmo que colocá-lo durante um tempo e já queimar uma substituição? Talvez no Varelão/2010 isto não seja problema, mas no Brasileirão podemos correr este risco?

      Eis alguns questionamentos que lhe repasso.

      P.S Veja que o cara que entrou no lugar dele, o Renato, nem é este jogador todo, mas você há de concordar que o time já foi outro.

      • Logan Says:

        Ramon poderia começar no banco e entrar no segundo tempo oras.

      • Jorge Bassu Says:

        Concordo com voce seu menino.
        O problema que o torcerdor se prende a “historia” que o jogador teve no clube e nao usa a razao para juga lo no momento atual.
        Quando o torcedor diz “…futebol ele tem” eu pergunto, qual foi a partida que o Ramon jogou esse e o ano passado, que justifique a presenca dele no time?
        Por um momento, analise o Ramon pelo que ele joga HOJE e com toda honestidade faca uma avaliacao.
        Se eh para exaltar a historia do jogador no clube, que se construa uma estatua dele no meio da baia de todos os santos e os fans podem render as homenagens que quiserem.
        Eu no meu canto prefiro ter um jogador que mesmo sendo meeiro, mas que de uma cara nova ao time.

        Um abraco

  3. Lucas Serra Says:

    srsrsr

    Também pensei assim, a cargo de Ricardo estava ameaçado, ele não tinha nada a perder, então botou os caras que tinham que estar em campo.

    SRN

  4. Daniel Says:

    Ráaa, ano passado o jogar mais responsável tinha “balada” no sobrenome. Esse ano o nosso pulmão é o maior maconheiro que já passou pelo Rio de Janeiro. O Vitória é isso: quebra de paradigmas! O time mais macunaíma do mundo.

  5. Benjamin Says:

    Renato Cabeleira ainda precisa entrar em forma, mas é um bom jogador. Tomara que não aprenda o caminho do Pelourinho, porque se tomar o famoso cravinho temperado…

    E Sêo Françuel, de uma vez por todas, aprensa a pronunciar e escrever corretamente o nome do campeonato baiano: Valerão/2010

  6. Dalmo Carrera Says:

    Rapaz, quando o Franciel Cruz mete uma coisa na cabeça não sai nem mesmo na base de martelada, vira uma obsessão quase com a intenção da liquidação total do individuo. Pegou no pé do coroado Ramon Menezes, bateu, bateu, bateu e quando se cansou, virou a mareta de 10 quilos contra o pobre Bida e depois de sugeri que o rapaz se transforme em cabeleireiro lá no Jacques Janine, agora não satisfeito, exige a retirada do rapaz de qualquer jeito do time do Vitória

    Franciel meu amigo, dê o dinheiro do táxi ao Bida e mande lá pra o Fazendão que estaremos dispostos em oferecer uma contrapartida justa com compensação, quem sabe, Edílson, Abedi, Ávine,? enfim, prontos estamos para negociar. Tranqüilize o rapaz, podemos fazer um contrato onde em uma cláusula especial garanta o pagamento dos salários em dias ao atleta.

    Quanto o Ricardo Silva fui testemunha do seu incentivo para sua efetivação como técnico do Vitória, acertaram. Porém não tenha ilusão, já em maio se encerra a temporada do futebol chute-ao-vento, do futebol semi-profissional e imediatamente se inicia algo parecido com o profissional e neste cenário as chances de manutenção do Ricardo, mesmo com improvável titulo baiano, beiram entre as casas do zero, vírgula, zero. Só nos resta saber, quem será o próximo bunda de caruru, lembre-se, teime, porém não aposte.

    Forte abraço Franciel!

    • borba Says:

      Ô filho, leve Bida de graça, leve. Precisa mandar ninguém não. Eu mermo pago o busu (porra de taxi! não pago taxi nem pra mim!).

      • Dalmo Carrera Says:

        Ò borba, buzu? Lembre-se, dos dias de calor. Sério agora, o cara não é essa porcaria toda. Apenas me parece desmotivado. Não creio que tenha esquecido a bola no Porto de Santos

  7. Juca Says:

    venha cá, esse menino, esse povo do marquetingue do vitóra se formô na facom, num foi não? vá matá o demônho

  8. borba Says:

    Ô Dalmo, e ele vai se motivar aonde? NO BAHIA? TU ACHA?

    • Dalmo Carrera Says:

      Borba poderia nomear aqui dezenas de jogadores que num determinado clube não renderam, já em outros, se transformaram, ficando apenas na sua casa, cito, os badalados Roger e o próprio Neto Baiano. Evidente que o Bahia de hoje não oferece condições alguma para motivar nem mesmo os seus torcedores, imagina um jogador que você que mandar ir embora de ônibus. Mas lembro apenas que após descer uma ladeira, basta girar o corpo que encontramos uma subida!

      • borba Says:

        Sim Dalmo, claro. Mas veja, nos próprios exemplos que você citou, você mesmo já respondeu: o bahia não oferece condições de motivação, ainda mais pra Bida, que me parece ser o típico caso de ‘quero ir embora daqui, quejo jogar no eixo, quero aparecer na tv e cortar cabelo dos famosos em São Paulo’.

  9. Lionel Says:

    Jogando pouco mais de 45 minutos, Renato já mostrou que tem disposição e velocidade. Se eu parasse aqui, ainda assim ele merecia a vaga de Bida. Mas, independente da cara de maconheiro, ele parece que tem noçao de bola, sim.
    Acho que ele pode se revelar esse suco de mangaba todo, sim, ainda que seja uma mangaba de polpa, não da fruta.

    • Logan Says:

      Por mim ele fuma a bagana dele, contanto que jogue bola pra mim serve, bida não vinha fazendo isso mesmo. Seu françuel taí que não me deixa mentir, um legítimo apreciador da substância não recomendada pela carta magna (palavras do próprio), nem por isso “cai de rendimento” com seus textos aqui no blog.

  10. Geraldo Says:

    Olhando a foto de Renato, lembrei-me do personagem de Chico Anisio o Qualhada e o pior de tudo é que lembrei também de muitos outros jogadores meeiros que fizeram uma primeira partida de imprecionar alguns torcedores carentes já não mim empolgo com jogador de uma partida só prefiro ver uma sequencia de jogos pra depois fazer minha avaliação, porém não vou dizer que não fez uma boa partida de estreia ainda mais que não pude ver o Ramon em campo pois mais uma vez a falta de respeito da diretória com os torcedores do SMV prevaleceu cheguei ao MONUMENTAL ás 20:30 e so conseguir entrar depois muito do jogo começado, ainda assim porque comprei um ingresso na bilheteria e entrei sem problema de fila

  11. Cury Says:

    Oxe, desconfio que é por causa das tais substancias que esse blog é tão bom…

  12. borba Says:

    Renato Bagana me lembrou Carlos Alberto, não?

    Quem lembra? Chegou no meio do baiano, fez gol(aço) logo na primeira partida, Seu Françuel elogiou (com aquele papo de ‘vejo logo que o cara é bom no arriar das malas’ e só, fez uma ou duas partidas boas e 10 apagadas.

    Vamos ver, vamos ver.

  13. Juvenal Says:

    Foi tu q passou a bola pra Renato, q eu to ligado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: