Receita de time ideal para amanhã e para domingo*

Eu já falei aqui sobre aquela sábia sentença do menino Bill Shankly? Não? Então, recebam: “Futebol não é uma questão de vida ou morte. É muito mais importante do que isso”. E é mesmo. Por isso, volto a esta tribuna para falar sobre o tema, mesmo sabendo que hoje é terça-feira, o mais cruel dos dias para o ludopédio (Chupa, T.S Eliot).

Por que mais cruel? Ora, minha comadre, porque depois da rodada de domingo que nos embriaga até a segunda, o day after é consagrado à ressaca. Alguns hereges, inclusive, chegam até a ficar empanzinados de futebol e começam a pensar em coisas fúteis, como fazer compras no mercado, por exemplo. (E a velha pressão arterial vai lá pra CASA DA PORRA).

Deusulivre!

E o que fazer? Pergunta-me agora o menino Vladimir Ilitch. E eu respondo: primeiro, mandar estes xibungos para uma delicatessen ou para Beneficência Portuguesa. Depois, seguir em frente, pregando para os bravos e inventando teorias, teses ou uma culhuda qualquer para não permitir que a paixão esmoreça. Por isso, na aula de hoje vou ensinar a receita para o time ideal, kamasutrianamente, posição por posição.

Goleiro. Só três tipos de gente escolhe tal destino: maluco, viado ou aquele que acumula as duas funções anteriores. Assim, para ocupar tão ultrajante posição, não é preciso qualquer habilidade. Basta ser alto e ter as mãos grandes (Copiraite João Saldanha).

Lateral-direito (ala é a puta que o pariu). Para exercer esta função também não é necessário muita técnica, mas é preciso muito preparo físico e um pouco de paciência. Por que se o cidadão não tiver este último atributo ele manda o técnico procurar um jumento viúvo rapidamente. A propósito, lembro do delegado Antônio Lopes gritando com o coitado do Maricá. “Sobe, Maricá; sobe Maricá”. Quando o referido já estava perto da bandeirinha, ele gritava novamente: “Volta, Maricá; Volta, Marica”. Como dizemos aqui na Bahia, Vá matar o Demônho!

Zagueiro Central e Quarto Zagueiro. Para executar estes papéis de Cosme e Damião da grande área, os sujeitos devem possuir a piedade de um matador de aluguel de filmes B. Tem que botar para sangrar. Do pescoço pra baixo, tudo é canela. Nada de frescura de sair jogando. Zagueiro que DIBRA deve passar dois anos LIDANDO COM UMA FOICE pra aprender a ser homem (Cecco, 2009). É bola para o mato porque qualquer jogo é de campeonato. Habilidade? Esqueçam isso.

Lateral-esquerdo (ala vocês já sabem quem é). Ao contrário de todos que formam a zaga, a este já é dado o direito de fazer umas firulas, bater na bola de trivela e tal. Pode até ser meio xibungo (calma, Richarlyson) que não tem problemas. Ao contrário do que dizia Vinícius, para fazer um samba e uma zaga de responsa é preciso um pouco de alegria. Afinal, os brutos que compõem aquele setor também amam.

Volante. Força, força e força. Estas são as três qualidades exigidas para o cargo de carregador de piano. Aliás, minto. Existem outros três atributos fundamentais: garra, garra e garra. Ele deve zelar a zona do agrião como se estivesse cuidando do prato de comida de seu filhote. Ao contrário dos zagueiros, não deve sair dando pontapés a torto e a direito. Porém, nas ocasiões em que o pobre do lateral direito não tenha tido tempo de voltar, o volante tem o DEVER de descer a ripa quando for fazer a cobertura do setor.

Meia-direita ou Segundo Homem de Meio de Campo, como preferem os baitolas hodiernamente. Para estes aplica-se o teorema do recatado Padre Sadoc. Este dizia que “o homem nunca vai conseguir comer todas as mulheres do mundo, no entanto nunca deve deixar de tentar”. Mutatis Mutandis, vale o mesmo para o camisa 8. Ele nunca vai ser o camisa 10, mas nunca deve deixar de tentar.

CAMISA 10. (Silêncio). Depois que Edson vestiu aquele manto sagrado ninguém, nem mesmo este erudito locutor, tem direito de falar nada.
Centroavante. A alegria do povo. Além de fazer gols, deve possuir uma série de outras qualificações. A primeira delas é saber fazer gols, ora. A segunda é ser analfabeto e produzir diversas frases de efeito. A terceira é não ter o mínimo de ética e padecer de um grave desvio comportamental. Tem que passar a mão na bunda do zagueiro e ainda fazer papel de vítima. A quarta, e última, é não ter cabelos black power porque dificulta a cabeçada (mais royalties para João Saldanha).

Ponta-esquerda. No meu tempo, este sujeito tinha a função de entortar o lateral direito (pobre lateral direito, só faz se fuder), os zagueiros, os cartolas e até a bandeirinha de escanteio. Atualmente, parece que ganham apenas para ficar ciscando no meio campo, feito uma enceradeira.

Pronto. Eis a fórmula do sucesso.

Antes que algumas injúrias me digam que tá faltando um camisa 7, eu aviso logo. Foi de propósito. Já que os homens de terno e gravata que comandam as equipes decidiram acabar com a função desta importante peça, deslocando-a para o meio de campo, decidi não escrever nada. Aliás, prefiro jogar com apenas 10 do que botar o Ponta-direita pelo meio.
Bom. Como só elenco não ganha jogo é preciso também um sistema tático. E o melhor sistema tático foi desenvolvido por Cambuizinho na gloriosa Sociedade Esportiva de Irecê (SEI) no ano da graça de 1973, que foi copiado por Rinus Michel no ano seguinte. Ouçam. “Meu time deve abrir e fechar igual a tesoura e subir e descer como o Elevador Lacerda”.

Palavras da Salvação.

Agora, fique à vontade para dar suas receitas também ou então fique sem nenhuma (chupa, Raul Seixas).

* Texto publicado originalmente no GLORIOSO IMPEDIMENTO.

Anúncios

12 Respostas to “Receita de time ideal para amanhã e para domingo*”

  1. Mateus Borba Says:

    Vou imprimir este e colar aqui no quadro do escritório, que um pouco de canjebrina (copiraite) e sabedoria não fazem mal a ninguém.

    Daí quem sabe assim esses xibungos daqui que torcem pro Vasco, São Paulo e Flamengo, que nunca foram num Estádio ver o time jogar e ouvir as palavras de salvação dos coroas da velha guarda (esses sim entendem do riscado), que foram criados na frente da TV ouvindo Galvões inventando essas putaquipariícies como “ala”, “segundo homem de meio de campo” ou “volante de contenção” aprendem alguma coisa que preste. Ahsifudê rapá,

    e UMBORA BITÓRIA, CARAJO!

  2. Dalmo Carrera Says:

    Franciel, você diz que um bom zagueiro é aquele que mete a bola para o mato. Mas também diz que o zagueiro ideal tem que passar dois anos lidando com a foice, e como foice acaba o mato, logo o beque vai ficar sem saber se o jogo é realmente do campeonato, olhe o problema. Já na lateral, direita faltou dizer que é preciso ter cabelos longos e espichados, que corra muito e saiba ser covarde. No mais, concordo em tudo, ala só de baianas, homem de referencia só meu pai.

  3. Victor Says:

    Força, Força e Força.

    (…)

    Garra, Garra e Garra.

    (…)

    Vânderson, Vânderson e Vânderson.

  4. Victor Says:

    Outra receita pra peleja de amanhã sêu Françuel:

    http://ecvitoriapress.wordpress.com/2009/04/29/a-espera-de-um-milagre/

  5. canijah de moreré Says:

    Franci, mande-me o número de Hernani pra o meu e-mail, pai!!!! Na moral!!!!

  6. Leonardo Lima Says:

    E a receita deu certo Franciel, 3 a o zero nos pintinhos, agora queremos mais, e a próxima vítima será domingo.
    Abraços galera!!!!!!!!

  7. Quiva Says:

    Meu Velho, acabo de chegar do Monumental e, sem qualquer má influência da ruma de skol que ingeri, lhe faço um breve relato sobre a peleja de agora a pouco: o Vitória jogou tão bem, tão bem… que Luciano Almeida deixou o campo ovacionado pela torcida. É brinquedo um negócio desse?

  8. Teresa Says:

    Quiva,

    Assino aonde?

    O melhor jogo do brioso esse ano!!!

    3 a 0 foi pouco, poderiamos ter feito mais.

    E que venha o vicitinga!

  9. canijah de morere Says:

    Apodi pirou de vez… a cabeça do adversário!!!!
    Bida é bola de ouro;
    Viáfara, dormiu em campo e ~conseguiu não tomar cartão aos 46 do segundo tempo.
    Carlos Alberto e Vanderson: Rottwailer e Pit Bull não comem reggae de nénhum Tardelli da vida.
    Luciano Almeida…ressuscitou!!!
    Victor, o Martins, inspirou-se no Anderson.
    Wallace mostrou q Leonardo Silva é passado.
    Ramon lembrou um outro velho, o Pet.
    Jackson não é velho!
    Neto Baiano é 1000.

  10. Fábio Monteiro Says:

    estou no aguardo de sua nova atualização, Franciel.

  11. lucas Says:

    feijão com arroz

  12. lucas Says:

    a cala a sua boca fãbio Monteiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: